Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 03 de maio de 2017. Atualizado às 15h59.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 03/05 às 16h03min

Fed mantém inalterada taxa de juros e reitera gradualismo na política monetária

Em decisão unânime, o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) decidiu nesta quarta-feira (3) manter inalterados os juros básicos nos Estados Unidos entre 0,75% e 1,0%. A taxa de desconto permaneceu em 1,5%.
No comunicado, a autoridade monetária afirmou que a posição de política monetária permanece acomodativa, "dando suporte a um maior fortalecimento do mercado de trabalho e uma volta sustentável a uma inflação de 2,0%".
O Fed citou que o contínuo fortalecimento do mercado de trabalho continua mesmo com a desaceleração da atividade econômica. Já os gastos dos consumidores "cresceram apenas modestamente, mas os fundamentos que dão suporte ao crescimento contínuo do consumo permanecem sólidos", ao passo que o investimento em capital fixo se firmou.
O documento notou que a inflação em doze meses tem corrido próxima da meta de 2,0% da meta de longo prazo do comitê, mas que excluindo energia e alimentação, os preços ao consumidor declinaram em março e a inflação continuou a rodar um tanto abaixo de 2,0%.
"O comitê vê a desaceleração do crescimento no primeiro trimestre como provavelmente transitória e continua a esperar que, com ajustes graduais de política monetária, a atividade econômica irá se expandir em um ritmo moderado, as condições de mercado de trabalho irão se fortalecer mais um pouco e a inflação se estabilizar próxima dos 2,0% no médio prazo", diz a nota.
A instituição reiterou que os riscos no curto prazo para a perspectiva econômica estão "praticamente equilibradas", e que continuará a monitorar de perto os indicadores de inflação e os desenvolvimentos da economia e finanças globais.
As condições econômicas atuais, continua o texto, permitem elevações graduais dos juros. Já o ritmo vai continua a "depender das condições econômicas existentes".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia