Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 02 de maio de 2017. Atualizado às 09h22.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Petróleo busca recuperação, mas oferta continua preocupando

Os futuros de petróleo operam em alta na manhã desta terça-feira (2), recuperando-se após mostrarem perdas de 1% na sessão anterior, mas a retomada de operações na Líbia e o avanço da produção nos EUA limitam os ganhos.

Às 9h04min (de Brasília), o petróleo tipo Brent para julho subia 0,78% na IntercontinentalExchange (ICE), a US$ 51,92 por barril, enquanto o WTI para junho avançava 0,55% na New York Mercantile Exchange (Nymex), a US$ 49,11 por barril.

Apesar do tom positivo dos futuros, a questão da oferta global continua pesando na commodity.

Ontem, o WTI atingiu mínima em cinco semanas, em meio a preocupações de que cortes na produção implementados pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e pela Rússia nos últimos meses não serão suficientes para reduzir os estoques de petróleo, à medida que a Líbia e os EUA ampliam a produção.

"Notícias da Líbia vão dar mais combustível para os baixistas", comentaram analistas da JBC em relatório.

Ontem, a petrolífera estatal líbia NOC informou que a produção do país está atualmente acima de 760 mil barris por dia. Além disso, autoridades disseram que as atividades dos campos de Sharara e de El Feel poderão recomeçar em breve.

No fim deste mês, a Opep irá avaliar se prorrogará um acordo para reduzir sua produção diária em torno de 1,2 milhão de barris ao longo do primeiro semestre. A Rússia e outros países que não pertencem à Opep, por sua vez, vêm cortando sua oferta combinada em torno de 600 mil barris por dia.

Outro fator que preocupa é o aumento da produção e a demanda fraca por derivados de petróleo nos EUA. Números do Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) norte-americano mostraram que a demanda por gasolina nos EUA teve queda anual de 1,8% nas quatro semanas até 28 de abril.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia