Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 28 de abril de 2017. Atualizado às 00h16.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Partidos

Notícia da edição impressa de 28/04/2017. Alterada em 27/04 às 21h37min

FHC sugere que Lula procure PSDB para discutir a reforma política

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) minimizou nesta quinta-feira a possibilidade de um encontro com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que havia dito em entrevista ao SBT que via "espaço" para se reunir com FHC para discutir a reforma política e a crise econômica. FHC sugeriu que o ex-presidente petista se dirija à direção do PSDB para o debate.
"Falou isso? Não vi. Bom, isso tem que ter uma agenda específica. Eu sou presidente de honra de um partido, não sou membro ativo. Então ele tem que procurar a direção do meu partido", respondeu Fernando Henrique Cardoso.
Há alguns dias FHC negou notícias de que haveria uma articulação para discutir com Lula um acordo de sobrevivência na Lava Jato. Na entrevista de ontem, Lula rejeitou a possibilidade de discutir reforma política com o presidente Michel Temer (PMDB), mas disse que estaria aberto a discutir o assunto com FHC.
Pelo seu ativismo na regulamentação do uso de drogas, o ex-presidente tucano participou do enceramento de um seminário sobre o balanço de um ano da obrigatoriedade do exame toxicológico para motorista profissionais, realizado pelo Instituto de Tecnologias para o Trânsito Seguro (ITTS) e o jornal "Correio Braziliense".
Sobre o futuro das candidaturas de lideranças tradicionais do PSDB em 2018, como Aécio Neves ou Geraldo Alckmin, atingidos por delações da Lava Jato, ele avalia que não estão sepultadas, mas depende de como vão se reposicionar perante a sociedade, assumindo erros, se os cometeram.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia