Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 24 de abril de 2017. Atualizado às 20h21.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

Alterada em 24/04 às 20h23min

Defesa de ex-gerente da Petrobras diz que decisão de denúncia já era esperada

Agência estado
O advogado James Walker, que defende o ex-gerente executivo de engenharia da Petrobras Roberto Gonçalves, denunciado nesta segunda-feira (24), disse que a decisão "já era esperada". Nesta segunda-feira, o juiz federal Sérgio Moro aceitou mais uma denúncia da força-tarefa da Operação Lava Jato.
Gonçalves e outros quatro executivos da Odebrecht e da UTC são acusados de atos de corrupção praticados para garantir a celebração de dois contratos firmados pelos consórcios Pipe Rack e TUC, integrados pelas duas empresas, com a Petrobras para a construção do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). "Estamos esperando o prazo se iniciar para, a partir da notificação, apresentarmos a defesa", diz Walker.
As investigações apontaram que Gonçalves, sucessor de Pedro Barusco na gerência executiva de Engenharia da Petrobras, teria recebido propina das empreiteiras para beneficiá-las nos contratos do Comperj, mesmo depois dos executivos já terem sido condenados, no âmbito da operação Lava Jato, pela corrupção dos funcionários públicos Paulo Roberto Costa, Renato Duque e Pedro Barusco.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia