Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 16 de abril de 2017. Atualizado às 22h33.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

Notícia da edição impressa de 17/04/2017. Alterada em 16/04 às 21h20min

Marcelo Odebrecht diz que Pimentel alertou Dilma de caixa-2

O ex-presidente e herdeiro do grupo Odebrecht, Marcelo Odebrecht, disse, em um dos depoimentos de sua delação que usou o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), para alertar a então presidente, Dilma Rousseff (PT), no final de 2014, de que sua campanha estava "contaminada" por doações ilegais. "Na minha ida a Salvador no final do ano (2014), parei lá (em Belo Horizonte) e entreguei para ele planilha onde tinha alguns valores que foram depositados para (o marqueteiro) João Santana, que não necessariamente era do Brasil, mas que era para ele alertar ela", relatou Marcelo.
O empresário, preso pela Operação Lava Jato, disse que procurou Pimentel por ver nele um dos principais interlocutores de Dilma. "Nas minhas conversas com ele era muito também para ele me ajudar com Dilma, com orientação, ou me ajudar a convencê-la de algumas coisas. Ele era uma das poucas pessoas que tinha liberdade para dizer para ela algumas coisas que outros não tinham coragem", afirmou.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia