Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 12 de abril de 2017. Atualizado às 14h32.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

Alterada em 12/04 às 14h35min

PSOL quer afastamento de políticos citados em lista que ocupam postos de comando

O líder do PSOL na Câmara, Glauber Braga (RJ), sugeriu nesta quarta-feira (12) que mencionados na lista do ministro do Supremo Tribunal Federal, Edison Fachin, que estão em postos de comando, sejam afastados. Glauber pediu que ministros, presidentes da Câmara e do Senado, além de relatores de projetos importantes, se dediquem exclusivamente às suas defesas.
"Não é possível que a gente tenha como relator da Reforma da Previdência, que mexe profundamente nos direitos da maioria dos brasileiros, alguém que esteja indicado na lista", disse Glauber, referindo-se ao deputado Arthur Maia (PPS-BA).
O líder do PSOL argumentou que os políticos mencionados e que ocupam postos-chave não têm legitimidade política para "tocar essas tarefas". "Não tem o menor cabimento essas reformas continuarem sendo votadas sem o afastamento desses representantes políticos", insistiu.
O PSOL também anunciou que vai avaliar, caso a caso, os nomes investigados e fazer uma avaliação para possível representação por quebra de decoro parlamentar no Conselho de Ética.
O partido também prepara uma medida judicial pedindo que o presidente Michel Temer seja investigado. Temer é citado em dois inquéritos encaminhados pela Procuradoria-Geral da República (PGR), mas não será investigado em razão da "imunidade temporária" que detém na condição de chefe do Executivo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia