Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 25 de abril de 2017. Atualizado às 23h17.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 26/04/2017. Alterada em 25/04 às 19h16min

Mais respeito com a água

Dieter Wartchow
A água que bebemos quando apresenta gosto e odor nos emite um sinal de que nem tudo está bem. Esta pode até atender ao padrão de potabilidade, mas passa a ser rejeitada. Temos assistido no verão que a balneabilidade das águas interiores está comprometida pela presença excessiva de algas, causada por nutrientes, provenientes do lançamento de efluentes industriais, esgotos domésticos e a erosão do solo desprotegido. As margens dos nossos rios e mar recebem todo tipo de resíduos que por falta de educação foram lançados ao ambiente. Ruas ficam alagadas devido à crescente impermeabilização, resíduos e falta de manutenção dos sistemas de drenagem.
A água como bem de todos, não pode ser desperdiçada e deve ser usada prioritariamente para suprir a vida. Água é essencial às pessoas e à vida e, portanto, não é uma mercadoria. Sem água limpa e segura não temos saúde e qualidade de vida. Sem água, não produzimos bens manufaturados e a agricultura padece, a economia enfraquece, a pobreza aumenta.
Pela água da torneira paga-se pouco, industrializada pagamos 1.000 vezes mais, por diamantes paga-se milhões. A macroeconomia que tem como meta principal o ajuste fiscal e beneficiar o setor privado, precisa ser reescrita a partir da valoração dos bens ambientais, a exemplo da água. Faltam cálculos sobre os efeitos negativos da estiagem na região Sudeste e Nordeste, na geração de energia, no PIB brasileiro nos anos 2015 e 2016. A crise da água é falta de gestão e governabilidade, de enfoque ambiental. Em se tratando de um direito universal, água e saneamento, não podem ser objetos de negócio com a iniciativa privada, que almeja lucro. A mudança necessária no modelo de gestão propõe educação, sustentabilidade, democracia, distribuição e participação. Precisamos demonstrar mais respeito e consideração com a água e entendê-la como uma dádiva divina.
Professor da Ufrgs/IPH
 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia