Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 24 de abril de 2017. Atualizado às 15h17.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

ESTADOS UNIDOS

Alterada em 24/04 às 15h17min

Governo americano impõe sanções contra 271 indivíduos sírios

O governo dos Estados Unidos impôs novas sanções contra a Síria nesta tarde, informou o Secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, com o objetivo de diminuir o financiamento do regime de Bashar Al-Assad.
Cerca de 217 funcionários de uma agência governamental síria estão em uma lista negra americana, por envolvimento na produção e desenvolvimento de armas químicas, segundo Mnuchin.
O secretário declarou que a medida é uma das maiores no que diz respeito às sanções na história dos EUA e ocorre em resposta ao ataque química com gás sarin que ocorreu no início deste mês na Síria, que matou 85 pessoas. O governo americano responsabiliza o regime de Assad pelo atentado.
"Os EUA estão enviando uma forte mensagem com essa ação, vamos responsabilizar integralmente o regime de Assad pelas violações de direitos humanos, com o objetivo de impedir que esse tipo de ataque químico ocorra novamente", afirmou Mnuchin. "Vamos ir atrás dos grupos financeiros e de todos os indivíduos envolvidos na produção de armas químicas, as entidades americanas não podem fazer negócios com estes indivíduos", declarou.
Questionado sobre a aguardada reforma tributária durante coletiva de imprensa na Casa Branca, Mnuchin disse que tem discutido "semanalmente" com o Senado e com a Câmara de Representantes sobre a questão. Além disso, ele afirmou que a reforma tributária "será justificada com o crescimento econômico".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia