Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 14 de abril de 2017. Atualizado às 14h26.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura internacional

14/04/2017 - 14h32min. Alterada em 14/04 às 14h33min

Não haveria vencedores em conflito entre EUA e Coreia do Norte, diz China

O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, afirmou nesta sexta-feira (14) que não haveria vencedores, em um eventual conflito armado entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte por causa do programa de armas nucleares e mísseis de Pyongyang. Wang disse a repórteres que todos os lados devem parar de fazer provocações e ameaças em suas palavras e ações e assumir uma postura flexível para a retomada do diálogo.
"Uma vez que uma guerra realmente acontece, o resultado não seria nada além de perdas múltiplas. Ninguém será vencedor", disse o ministro chinês. "Seja quem for, se quer fazer uma guerra ou causar problemas na Península Coreana, precisa assumir a responsabilidade histórica e pagar o preço devido." Wang disse que a China está disposta a facilitar os esforços dos dois lados para dialogar, da forma que for.
Na avaliação de especialistas chineses, há pouca possibilidade imediata de que as hostilidades tenham uma escalada entre os EUA e a Coreia do Norte. Os analistas dizem, porém, que Pequim deve responder duramente a qualquer novo teste nuclear de Pyongyang.
Diretor do Instituto de Estudos do Nordeste Asiático da Universidade Jilin, Gui Rui afirma que o presidente americano, Donald Trump, tem problemas domésticos que devem impedi-lo de adotar uma ação do tipo, enquanto a Coreia do Norte não parece estar disposta a entrar em uma guerra.
Gui diz que, embora a tensão na Península Coreana seja alta, não é ainda elevada o suficiente a ponto de ela estar em um quadro de guerra iminente. O analista acredita que outro teste nuclear geraria medidas mais duras de Pequim, possivelmente com novas restrições a investimentos de companhias chinesas na Coreia do Norte e um corte no número de turistas chineses autorizados a visitar o país. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia