Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 05 de abril de 2017. Atualizado às 16h49.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

ESTADOS UNIDOS

Alterada em 05/04 às 16h54min

EUA dizem que podem responder aos ataques na Síria caso a ONU não o faça

A embaixadora dos Estados Unidos na Organização das Nações Unidas (ONU), Nikki Haley, alertou que o governo de Donald Trump pode agir contra os ataques químicos na Síria, que carregam "todas as marcas" do governo Bashar al Assad, se o conselho de segurança da organização não agir.
Haley apelou hoje ao conselho para que aprove imediatamente uma resolução encabeçada pelos EUA, Reino Unido e França, que condena e ameaça responder ao uso de armas químicas.
Segurando fotos de vítimas de um suposto ataque químico que matou dezenas de pessoas nesta terça-feira, ela acusou a Rússia de barrar a ação. Ela afirmou que Moscou fechou os olhos para a "barbaridade" dos ataques ao vetar uma resolução em fevereiro para impor sanções aos responsáveis.
O vice-embaixador russo na ONU, Vladimir Safronkov, se opôs à resolução, dizendo que foi baseada na informação de grupos "sem credibilidade".
Haley encerrou seu comentários alertando que "quando as Nações Unidas consistentemente falham no dever de agir coletivamente, há momentos na vida dos Estados em que somos obrigados a tomar nossa própria ação". 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia