Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 26 de abril de 2017. Atualizado às 23h34.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Assistência social

Notícia da edição impressa de 27/04/2017. Alterada em 26/04 às 20h46min

Seminário da prefeitura de Porto Alegre busca ampliar inserção LGBT

Igor Natusch
Um seminário, promovido ontem pela Secretaria de Desenvolvimento Social (SMDS) da prefeitura de Porto Alegre, buscou ampliar oportunidades de trabalho e inserção para o público LGBT. A atividade foi focada em assuntos de grande procura dentro da secretaria, como a retificação de registro civil, adoção de nome social e estratégias na busca de colocação no mercado de trabalho.
A iniciativa contou com a presença do consultor de recursos humanos Carlos D'Ávila e de Renan Camboim, da Coordenadoria Municipal da Juventude. Outros seminários estão sendo planejados para os próximos meses, de acordo com Dani Boeira, coordenador da Diversidade Sexual da Diretoria de Direitos Humanos da SMDS. Segundo ele, a nova administração municipal tem buscado atuar de forma direta junto à comunidade LGBT, em atividades de acolhimento, encaminhamento e acompanhamento.
Nos dois meses de atuação da coordenadoria, foram registrados em torno de 120 atendimentos. Um dos principais objetivos para os próximos meses, diz Boeira, é obter mais dados sobre o número de homens e mulheres trans em Porto Alegre, como forma de direcionar melhor os esforços para atender às necessidades dessas pessoas. "Mas estamos muito felizes com o que conseguimos até aqui", anima-se, frisando que não há registro oficial de nenhum homicídio contra pessoas trans em 2017 na Capital. "Estamos indo para a rua, trabalhando de forma preventiva e trazendo essas pessoas para dentro das estruturas da prefeitura."
As pessoas trans inscritas puderam participar da seleção para duas vagas de trabalho, oferecidas por entidades parceiras. Também foi disponibilizado um formulário, pelo qual as participantes podem solicitar um cartão do Sistema Único de Saúde com o nome social.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia