Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 30 de abril de 2017. Atualizado às 10h55.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura internacional

Alterada em 30/04 às 10h57min

Theresa May defende negociação de acordo conjunto sobre Brexit e comercial

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, disse neste domingo que o país não concordará em pagar uma conta de saída para deixar a União Europeia sem também chegar a um novo acordo comercial com o bloco, evidenciando uma divergência difícil de resolver antes das negociações sobre o Brexit.
Em entrevista à BBC, May reiterou a posição britânica de longa data de que os acordos sobre os termos da saída do país e seu futuro relacionamento com a UE devem ser feito em conjunto.
A UE, que no sábado apresentou suas posições fundamentais sobre o Brexit após uma cúpula de líderes, quer uma abordagem gradual para as negociações, com o Reino Unido concordando em liquidar suas dívidas pendentes com a UE e outros assuntos relacionados à separação antes das conversas se voltarem para um acordo comercial. A UE calcula que o país pode pagar entre 55 bilhões de euros e 60 bilhões de euros (US$ 60 bilhões a 65 bilhões) para liquidar os compromissos assumidos no orçamento da UE que ainda não foram pagos.
"Tenho muita certeza de que ao final das negociações precisamos estar definidos não apenas sobre os arranjos do Brexit - a saída, como nos retiramos -, mas também sobre o que será nosso futuro relacionamento", disse May.
Perguntada se isso significava que o Reino Unido não concordaria em acertar qualquer projeto de separação até que todas as negociações estejam concluídas, incluindo as que abrangem o comércio, May disse: "A própria UE disse que nada é acordado até que tudo seja acordado".
O impasse representa um desafio inicial para os negociadores quando as conversações sobre o Brexit formalmente começarem, após uma eleição nacional no Reino Unido de 8 de junho. As pesquisas de opinião apontam para a vitória de May e seu Partido Conservador, uma vitória que ela avalia fortalecê-la nas conversas com os demais 27 membros da UE.
Neste sábado, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, disse que os líderes da UE apoiaram uma abordagem gradual das negociações, dizendo que, para que as negociações passem para um acordo comercial pós-Brexit, seria necessário um acordo unânime entre os líderes da UE. Alguns líderes da UE expressaram frustração com a posição britânica, afirmando que Londres não entende o que seria necessário para resolver as principais questões da separação que o bloco pretende enfrentar antes que as conversas sobre o relacionamento futuro possam começar.
May reconheceu que as conversas sobre o Brexit serão difíceis, mas disse que está confiante de que os dois lados podem chegar a um acordo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia