Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 27 de abril de 2017. Atualizado às 17h24.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

crédito

Alterada em 27/04 às 17h25min

Saldo financiado no cartão de crédito atingiu R$ 130 bilhões em março

Agência Brasil
Em março, o saldo financiado nos cartões de crédito utilizados em operações com parcelamento pelo lojista e período de graça (compras para pagamento em 30 dias) cresceu 9,8% em relação ao mesmo período de 2016. O total no mês chegou a R$ 129,8 bilhões, o que representa 72,2% de todo o volume de recursos movimentados por cartões de crédito no período.
De acordo com a Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs), o resultado mostra que o consumidor usa cada vez mais o cartão como meio de pagamento e financiamento, em compras à vista e parceladas. Esta foi a maior expansão do indicador desde julho de 2015. O levantamento é feito pela associação com base nos dados do Banco Central do Brasil.
As operações com juros cobrados pelos emissores dos cartões atingiram R$ 50 bilhões, o que representa 27,8% do saldo de cartões no mês de março. O uso dos cartões com juros vem caindo gradativamente ao longo do período analisado.
Segundo a Abecs, a inadimplência no setor de cartões de crédito fechou março em 7,5%, com queda de 0,2 ponto percentual em relação ao mês anterior, atingindo o menor patamar desde julho de 2015.
Segundo levantamento da Abecs, a taxa de juros do rotativo do cartão de crédito teve queda de 39% na primeira semana do mês de abril - de 3 a 7 de abril -, em comparação com o mesmo período de março, chegando a 296,3% ao ano (12,2% ao mês).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia