Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 26 de abril de 2017. Atualizado às 23h34.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

COMÉRCIO EXTERIOR

Notícia da edição impressa de 27/04/2017. Alterada em 26/04 às 21h00min

Para Feltes, Lei Kandir deve ser prioridade no segundo semestre

A regulamentação da Lei Kandir, estabelecendo regras para compensar as perdas decorrentes da isenção sobre os produtos exportados, deveria ser a prioridade máxima do Congresso ao longo do segundo semestre. Esta é a opinião manifestada ontem pelo secretário da Fazenda do Estado, Giovani Feltes, durante painel organizado pela União dos Vereadores do Brasil (UVB). "Parte do equilíbrio financeiro de estados e municípios depende desta regulamentação, algo que serve de ponto de partida para o restabelecer minimamente, o que chamamos de Pacto Federativo", salientou o secretário durante a Marcha dos Vereadores que ocorre nesta semana em Brasília.
Na análise de Feltes, não haverá outro tema de maior relevância para o Congresso tão logo se concluam as discussões sobre as reformas trabalhista e previdenciária. "É algo que se aguarda há quase 20 anos. Passaram governos de todas as cores partidárias e não se interrompeu esta sangria", disse, durante a palestra ocorrida no Centro de Eventos da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Comércio (CNTC). Em novembro do ano passado, ao julgar uma ação encaminhada por diversos estados, entre eles, o Estado, o Supremo Tribunal Federal (STF) deu prazo de um ano para que o Congresso Nacional defina os critérios de ressarcimento das perdas da Lei Kandir.
Segundo o secretário, desde a edição da Lei Kandir, o Estado acumula perdas de R$ 46 bilhões. Deste total, R$ 4,2 bilhões foram decorrentes das isenções ao longo de 2016.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia