Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 25 de abril de 2017. Atualizado às 19h10.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

reforma da previdência

Alterada em 25/04 às 19h11min

Lula compara reforma da Previdência à bomba de Hiroshima em entrevista a rádio

Para Lula, a reforma da previdência, apesar de necessária, precisa de um amplo debate com a sociedade

Para Lula, a reforma da previdência, apesar de necessária, precisa de um amplo debate com a sociedade


NELSON ALMEIDA/AFP/JC
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva comentou nesta terça-feira (25), a reforma da Previdência em entrevista a Rádio Cidade do Rio Grande do Norte e comparou o projeto a uma bomba atômica. "Reforma pressupõe uma coisa boa. Quando você diz que vai reformar sua casa, seu carro, é para melhorar. Mas o que está sendo feito não é uma reforma; eles estão destruindo o que já tem. Isso tá mais para bomba de Hiroshima do que para reforma", afirmou.
Para Lula, reformar a Previdência é necessário, visando principalmente gerações futuras. Mas, segundo ele, para isso, seria necessário fazer um amplo debate com a sociedade brasileira, o movimento sindical e os principais atingidos, no caso os aposentados e os trabalhadores "da ativa".
De acordo com o petista, a livre-negociação entre empresários e trabalhadores pode até ser considerada, mas é importante ter uma regulação que proteja o trabalhador, já que no Brasil há poucos sindicatos capazes de negociar em igualdade com os empregadores. Na opinião de Lula, nos termos dessa reforma, "nós vamos colocar o fraco diante do forte, sendo que o forte tem toda a capacidade de pressão".
Sobre a Lava Jato, o ex-presidente se diz tranquilo, apesar de achar que sofre uma "perseguição" há pelo menos três anos. "Quero ver acharem 50 centavos meus em alguma conta por aí", protestou. A respeito da possível delação do ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil Antônio Palocci, Lula afirma que não está preocupado e que só Palocci sabe se cometeu algum erro, algum delito. "Se ele vai fazer delação ou não, é uma decisão dele", afirmou o presidente.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia