Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 26 de abril de 2017. Atualizado às 14h36.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria

Notícia da edição impressa de 26/04/2017. Alterada em 26/04 às 14h38min

JTI investe R$ 80 milhões em fábrica de cigarros em Santa Cruz do Sul

Inauguração do novo complexo está prevista para março do próximo ano

Inauguração do novo complexo está prevista para março do próximo ano


JTI/DIVULGAÇÃO/JC
A Japan Tobacco International (JTI) pretende fazer um investimento inicial de R$ 80 milhões na instalação de uma fábrica de cigarros em Santa Cruz do Sul. A empresa já conta no País com uma planta de processamento de tabaco no município e unidades de negócios espalhadas por oito estados e Distrito Federal.
A inauguração do complexo está prevista para março do próximo ano, e o empreendimento vai gerar, inicialmente, 81 vagas de trabalho, sendo 71 diretas e 10 indiretas. O anúncio foi feito ontem pelo vice-presidente da empresa, Eduardo Renner, ao prefeito Telmo Kirst. "Santa Cruz do Sul é o nosso DNA, esta é a nossa casa, faz todo o sentido estar aqui", comenta Renner. O investimento na fábrica de cigarros soma-se a outros aportes da JTI na cidade. No ano passado, a companhia inaugurou um centro nacional de distribuição e investiu R$ 90 milhões em melhorias na operação do tabaco em folha no município gaúcho e em Canoinhas (SC).
De acordo com o executivo, o projeto demonstra a confiança da JTI no Brasil, mesmo durante um momento adverso e desafiador. Renner afirma que a empresa reconhece o potencial do mercado e sua importância para as metas de longo prazo. "Essa fábrica é a peça que faltava para termos todo o processo de nossa cadeia produtiva no País", frisa.
Já o prefeito mencionou a relevância da cadeia produtiva do tabaco e destacou o papel da Associação dos Municípios Produtores de Tabaco (Amprotabaco) na defesa da economia dos municípios produtores. Kirst adianta que, no dia 15 de maio, a entidade estará em Brasília, onde tem várias audiências agendadas nos ministérios das Relações Exteriores, Agricultura e Justiça. "Queremos uma ação mais enérgica e efetiva com relação ao contrabando", enfatiza.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia