Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 24 de abril de 2017. Atualizado às 19h50.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

reforma da previdência

Alterada em 24/04 às 19h56min

Imbassahy diz que Temer vai exonerar ministros para votar na Previdência

Serão "12 ou 14" ministros que deixarão seus postos para reassumir o mandato, com a garantia de que retornarão a seus cargos no Executivo após a votação

Serão "12 ou 14" ministros que deixarão seus postos para reassumir o mandato, com a garantia de que retornarão a seus cargos no Executivo após a votação


GUSTAVO LIMA/AGÊNCIA CÂMARA/JC
Agência estado
Ainda sem garantia de que terá os votos necessários para aprovação da reforma da Previdência na Câmara dos Deputados, o governo do presidente Michel Temer vai exonerar todos os ministros que têm mandato de deputado no dia da votação em plenário, anunciou nesta segunda-feira (24), o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy. Serão "12 ou 14" ministros que deixarão seus postos para reassumir o mandato, com a garantia de que retornarão a seus cargos no Executivo após a votação. A estratégia será adotada apenas na Previdência - na reforma trabalhista, a avaliação do governo é que votação "será mais segura", segundo Imbassahy.
O ministro, no entanto, negou que tenha insinuado uma votação "menos segura" no caso da reforma da Previdência. "É como se fosse reforçar um time. O time está em campo e vai ficar mais reforçado ainda", disse Imbassahy, que concedeu entrevista no Palácio do Planalto após reunião dos ministros mais ligados à atividade partidária com o presidente.
Além da decisão pelas exonerações, Imbassahy anunciou que nenhum ministro viajará nesta semana. "Todos ficarão em Brasília, abertos a atender os parlamentares. A partir da votação, interrompe-se o atendimento para que eles possam votar", explicou o ministro.
Imbassahy ressaltou a importância das reformas trabalhista e previdenciária e disse que a decisão é uma ação da coordenação política do governo e de todos os ministros, que têm "capacidade administrativa já comprovada". Sobre a reforma trabalhista, que será votada esta semana em plenário, o ministro afirmou que a reunião "deu mais confiança" em relação à aprovação da proposta.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia