Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 25 de abril de 2017. Atualizado às 10h34.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Energia

Notícia da edição impressa de 25/04/2017. Alterada em 25/04 às 08h20min

Atlantic finaliza parques eólicos neste ano

Estrutura é orçada em R$ 1,2 bi e atenderá a um milhão de pessoas

Estrutura é orçada em R$ 1,2 bi e atenderá a um milhão de pessoas


RAFAEL GARDINI/RAFAEL GARDINI/ A2IMG/ATLANTIC/DIVULGAÇÃO/JC
Jefferson Klein
Em meados deste ano ainda, todos os 69 aerogeradores dos 12 parques eólicos que a Atlantic vem instalando em Santa Vitória do Palmar estarão produzindo comercialmente. Atualmente, dos 207 MW do total de capacidade instalada de geração de energia do complexo (suficiente para atender a cerca de um milhão de pessoas), 111 MW já se encontram operando.
O CEO da empresa, José Roberto de Moraes, destaca que a previsão antecipa em cerca de um ano a data estabelecida em contrato. Durante a construção das estruturas, foram gerados até 700 empregos diretos. O empreendimento, orçado em R$ 1,2 bilhão, conta com financiamento do Bndes e do BRDE. A assinatura do acordo do empréstimo com os bancos foi celebrada ontem em cerimônia realizada no Palácio Piratini. O apoio financeiro do Bndes será concedido de forma mista, sendo R$ 449 milhões diretamente pelo Bndes Finem e R$ 230 milhões repassados pelo BRDE. O restante será aportado pelo empreendedor.
A superintendente da área de energia elétrica do Bndes, Carla Primavera, frisa que todos os projetos de energia têm a possibilidade da emissão de debêntures incentivadas de infraestrutura e que o empreendimento da Atlantic pode adotar essa prática para complementar os recursos repassados pelo banco e pelo BRDE. Carla adianta que o montante envolvido dependerá das condições de mercado e da companhia, mas a expectativa é de se trabalhar com um volume acima de R$ 100 milhões. O presidente do Brde, Odacir Klein, acrescenta que financiar projetos eólicos significa também apoiar a sustentabilidade e o meio ambiente, assim como gerar emprego e renda.
Os aerogeradores possuem torres de 120 metros de altura e pás que somam um diâmetro de 125 metros, distribuídos por uma área de 10.424 hectares. Moraes salienta que, conforme relatório do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), em março foi a estrutura eólica que atuou com o maior fator de capacidade no Brasil, com 51,2% de eficiência.
A energia do complexo eólico Santa Vitória do Palmar foi contratada nos 18º e 19º leilões de energia do governo federal promovidos respectivamente em 2013 e 2014. Sobre a possibilidade da empresa participar de novos certames, o executivo adianta que a estratégia é terminar todos os projetos que estão sendo implantados hoje no País, para somente depois ingressar em mais iniciativas. A companhia pretende concluir, por exemplo, o complexo Lagoa do Barro, no Piauí, até o final de 2018. Para agilizar as obras dessa última estrutura, será transferida a unidade de torres eólicas de concreto da empresa Acciona Windpower, que foi erguida em Santa Vitória do Palmar para contribuir com o empreendimento gaúcho.
Moraes diz que a Atlantic não teve problemas para injetar a energia na rede elétrica do Rio Grande do Sul, até porque a empresa também teve que fazer investimentos na área de transmissão para entrar em operação comercial. O governador José Ivo Sartori enfatizou que o Estado está testemunhando um novo momento no setor energético. Para Sartori, ações como essa mudam o perfil de uma região.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Daniel R. Tavares 25/04/2017 09h54min
Bonitas as palavras do "governador" Sartori. Faltou apenas explicar o porquê de não ter pago a dívida com a firma WEG de Santa Catarina que fechou sua fábrica em Rio Grande, tendo deixado para trás uma centena de torres já concluídas.