Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 24 de abril de 2017. Atualizado às 15h13.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Energia

24/04/2017 - 15h12min. Alterada em 24/04 às 15h13min

Leilão de transmissão da Aneel viabiliza R$ 12,7 bilhões em investimentos

O leilão de empreendimentos de transmissão de energia realizado nesta segunda-feira (24) pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) foi encerrado conseguindo atrair interessados para 31 dos 35 lotes ofertados. Os lotes que inicialmente não haviam recebido propostas durante o certame foram reofertados ao final do evento, numa inédita iniciativa de repescagem, mas nenhum investidor se interessou.
Com isso, dos R$ 13,1 bilhões em investimentos estimados nos 35 projetos ofertados, R$ 12,7 bilhões foram viabilizados, segundo cálculos preliminares. Não houve uma liderança de um investidor.
Entre as empresas que conquistaram mais lotes estão a Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista (Cteep), que conquistou quatro lotes sozinha e um em parceria com a Taesa; a Elektro, com quatro lotes; e a EDP - Energias do Brasil, também com quatro lotes, sendo um em parceria com a Celesc. Energisa e RC Administração e Participações ficaram com dois projetos cada.
Por outro lado, a Equatorial, que mostrou forte apetite no leilão passado, desta vez embora tenha disputado diversos lotes conquistou apenas um.
A Engie Brasil Energia, por sua vez, que havia anunciado a intenção de entrar no segmento, não foi bem sucedida em seus lances, tendo em vista a agressividade dos concorrentes.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia