Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 19 de abril de 2017. Atualizado às 20h12.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 19/04 às 20h13min

Dólar avança em Nova Iorque, após dias de pressão sobre a moeda

O dólar reagiu nesta quarta-feira (19), com investidores dando menos peso a recentes tensões geopolíticas. A moeda americana subiu ante várias moedas, inclusive o iene, após a moeda japonesa ter sido beneficiada em sessões recentes pela maior busca por segurança.
No fim da tarde em Nova Iorque, o dólar subia a 108,85 ienes e o euro recuava a US$ 1,0714.
O iene e outros ativos mais seguros, como o ouro, avançaram recentemente, em meio a tensões geopolíticas. Operadores voltaram o foco, porém, novamente para a economia americana nesta quarta-feira.
O Livro Bege, sumário das condições econômicas dos EUA elaborado pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano), mostrou que a inflação continua a apresentar tendência de alta. O BC americano tem acompanhado os preços ao consumidor atentamente, já que a inflação mais firme apoiaria o argumento pela alta dos juros.
O presidente do Fed de Boston, Eric Rosengren, disse em discurso hoje que defende uma redução lenta do portfólio de bônus do Fed, o que permitiria que o banco central continuasse a elevar os juros. Alguns investidores apontavam que o Fed poderia esperar para elevar os juros enquanto reduz o portfólio.
Ainda assim, os investidores seguem cautelosos com a perspectiva para os juros nos EUA. O mercado vê apenas 4% de chance de elevação de juros em maio e 48,5% em junho, segundo dados do CME Group.
Sinais de que o Fed poderia elevar os juros num ritmo mais agressivo apoiariam o dólar. Analistas do Scotiabank disseram que o dólar deve seguir em parte apoiado pelos retornos mais altos nos EUA, enquanto a onda de vendas da moeda do início do ano contribui para isso. "O dólar está parecendo um pouco 'barato'", afirmaram analistas do banco em nota.
Entre outras moedas, o dólar subiu ante a libra, após a moeda britânica avançar com mais força na terça-feira, diante da notícia de que a premiê Theresa May convocou uma eleição antecipada para 8 de junho. A eleição foi em geral positiva para a libra, diante da avaliação de que May pode aumentar sua maioria na Câmara dos Comuns e melhorar a perspectiva por um processo mais tranquilo na separação da União Europeia, o chamado Brexit.
O euro, por sua vez, recuou ante o dólar com investidores cautelosos antes da eleição na França, que terá primeiro turno neste domingo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia