Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 01 de maio de 2017. Atualizado às 22h44.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Tecnologia

Notícia da edição impressa de 02/05/2017. Alterada em 01/05 às 21h09min

'Procuramos sempre os melhores, independentemente do gênero', diz Cadija Tissiani

Cadija cita a importância de iniciativas como o #ElaFazHistória

Cadija cita a importância de iniciativas como o #ElaFazHistória


FACEBOOK/FACEBOOK/DIVULGAÇÃO/JC
Patricia Knebel
Não é novidade que as mulheres enfrentam dificuldades para chegar no topo das suas profissões. Apenas 6% dos CEOs das 500 empresas da Fortune são do sexo feminino. Cenário parecido se repete entre os chefes de Estado e parlamentares, e vale tanto para os países desenvolvidos como para os em eterno desenvolvimento. Movimentos para estimular uma mudança nesse quadro têm se replicado nos últimos tempos. Como o do Facebook, que criou o #ElaFazHistória, evento que esteve em Porto Alegre recentemente e que foi criado para ajudar a inspirar mulheres a empreender. Além disso, a gigante é um caso raro ao ter como Chief Operating Officer (COO) uma mulher, a Sheryl Sandberg. "Ter modelos inspiradores é importante para os jovens, um estímulo para que eles consigam moldar e construir as suas próprias histórias", afirma a gerente do Facebook para Pequenas e Médias Empresas e responsável pelo programa #ElaFazHistória, Cadija Tissiani.
Jornal do Comércio - Como o Facebook espera contribuir com o empreendedorismo feminino?
Cadija Tissiani - A missão do Facebook é fazer do mundo um lugar mais aberto e conectado, dando a todos o poder de se conectar com aquilo que mais lhes importa e se expressar abertamente. Nós queremos ser uma plataforma que dê voz e um espaço para todas as ideias e todas as causas sociais. Hoje, mais de 114 milhões de brasileiros utilizam a plataforma para se conectar com amigos, familiares e, também, seus produtos e serviços. Por isso, somos um importante meio de propagação no qual mulheres podem mostrar seus empreendimentos, e podem tirar proveito de nossas acessíveis ferramentas de marketing para expandir seus negócios, construir sonhos e realizar planos. Dados recentes do Sebrae mostram que o Rio Grande do Sul sozinho abriga pelo menos 120 mil empreendedoras, e, tendo essa informação como ponto de partida, levamos o #ElaFazHistória para Porto Alegre, de forma a incentivar e impulsionar ainda mais o empreendedorismo feminino local.
JC - Qual o papel do #ElaFazHistória?
Cadija - O Facebook funciona como um propagador, um catalizador que consegue levar essa importante conversa a muitas pessoas, como por meio do #ElaFazHistória. O programa ajuda a dar visibilidade ao trabalho de mulheres empreendedoras, transmitindo suas histórias e inspirando outras a fazerem o mesmo. Acreditamos que, quando uma mulher tem sucesso, tudo à sua volta melhora, e a economia sofre impactos positivos. Ainda que seja um programa organizado pelo Facebook, as verdadeiras donas da iniciativa são as participantes, que, ao contar suas histórias, mostram como é possível romper barreiras para não só desenvolver seu próprio negócio, mas correr atrás de seus sonhos.
JC - Quando essa iniciativa surgiu no mundo e no Brasil?
Cadija - O programa foi lançado em junho de 2016 no Brasil e contou com importantes instituições que apoiam a causa, como a ONU Mulheres e Think Olga, expoentes da luta pelo empoderamento feminino. Nosso primeiro evento no País foi em 2016, em Recife, e passou por São Paulo e Brasília. Em 2017, começamos com Porto Alegre.
JC - O Facebook tem uma COO, a Sheryl Sandberg, uma das poucas mulheres nesse cargo, se considerarmos as grandes corporações. Como a participação feminina é incentivada?
Cadija - A Sheryl é a nossa COO e, mais do que isso, tem liderado a discussão pela igualdade de gênero e defendendo o empoderamento feminino. O Facebook coloca de maneira central e defende a diversidade entre seus funcionários como ferramenta para criar experiências transformadoras e enriquecedoras. Entre nossos colaboradores, estimulamos igualmente homens e mulheres, oferecendo oportunidades iguais de emprego, independentemente da orientação sexual do funcionário. Estamos sempre procurando pelos melhores, independentemente da etnia, orientação sexual, inclinação religiosa e, principalmente, gênero. A empresa não aprova qualquer tipo de discriminação de candidatos para qualquer cargo disponível.
JC - Como a presença de líderes femininas de sucesso pode incentivar outras mulheres?
Cadija - Sem dúvida, ter modelos inspiradores é algo importante para os jovens, para que eles consigam moldar e construir suas próprias histórias. E não podemos ficar restritos à história de Sheryl, mas também aprender com tantas outras mulheres interessantes, com trajetórias distintas e objetivos alcançados. O #ElaFazHistória serve justamente para isso. Ouvir, aprender e ser um modelo inspirador para alguém. Queremos conscientizar, celebrar e capacitar todas as mulheres para que elas consigam tirar os próprios sonhos e ideias do papel. A Sheryl tem produzido importante obra para discutir o papel de protagonismo que as mulheres devem ter no mundo corporativo, e não só abordando a raiz do problema, mas também discutindo soluções práticas para resolvê-lo. Seu livro e sua fundação, a Lean In Foundation, não apenas inspiram igualdade, como também convidam os homens a tirar proveito dos resultados de quando as mulheres assumem posições de liderança. O #ElaFazHistória roda o País discutindo como derrubar as barreiras da desigualdade e mostrando o empreendedorismo como um caminho de empoderamento para as mulheres.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia