Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 12 de abril de 2017. Atualizado às 19h32.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Alterada em 12/04 às 19h37min

Inflação em queda e redução da Selic estimularão economia, diz Temer no Twitter

O presidente Michel Temer usou o Twitter para comentar a redução da taxa básica de juros, a Selic. Segundo o presidente, a medida "vai ajudar a acelerar o crescimento econômico do País e gerar empregos para os brasileiros". "A inflação em queda e a redução da taxa Selic vão estimular a economia, a produção industrial e o consumo interno", afirmou.
Na mensagem, Temer ainda reforçou o discurso de que o governo não está paralisado. "Com determinação para tocar as reformas que o País precisa, vamos colocando o Brasil no rumo certo", escreveu.
Em meio às turbulências causadas pelas delações da Odebrecht, que atinge a classe política e o núcleo duro do governo, Temer disse nesta quarta-feira, 12, em cerimônia no Planalto que "não podemos jamais paralisar o governo". "Nós temos que dar sequência ao governo, nós temos que dar sequência à atividade legislativa, nós temos que dar sequência à atividade judiciária "
Auxiliares de Temer reconhecem que uma das principais preocupações do governo é com o impacto no andamento da reforma da Previdência no Congresso. Apesar disso, alguns salientam que os citados na lista do ministro Edson Fachin "vão precisar mostrar serviço para tentar virar a página". "O Congresso vai ter que fazer uma pauta legislativa dinâmica, se não será afundado e engolido pela Lava Jato", afirmou um interlocutor.
Nesta noite, o Banco Central confirmou a expectativa dos analistas e reduziu o juro básico da economia em 1 ponto porcentual, para 11,25% ao ano. A decisão foi unânime. Esse foi o quinto corte consecutivo do juro. Desde o início do atual ciclo - em outubro do ano passado - quando a Selic estava em 14,25%, o juro já caiu 3,0 pontos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia