Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 13 de abril de 2017. Atualizado às 00h28.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Consumo

Notícia da edição impressa de 13/04/2017. Alterada em 12/04 às 19h42min

Varejo recua 3,2% em fevereiro e acumula 23 meses no negativo

Setor de tecidos, vestuário e calçados foi o único a crescer no período

Setor de tecidos, vestuário e calçados foi o único a crescer no período


/MARCELO G. RIBEIRO/JC
A queda de 3,2% nas vendas do varejo em fevereiro ante o mesmo mês de 2016 mostra que a situação ainda é desfavorável para o comércio varejista, segundo Juliana Vasconcellos, gerente da Coordenação de Serviços e Comércio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado foi o 23º mês de desempenho negativo do volume vendido nesse tipo de comparação, segundo a Pesquisa Mensal de Comércio.
"Fevereiro deste ano teve um dia útil a mais do que fevereiro do ano passado, mas esse efeito calendário não se refletiu em aumento do consumo", observou Juliana. Em fevereiro, apenas uma atividade escapou do vermelho: tecidos, vestuário e calçados tiveram crescimento de 3,6%. Os combustíveis, as lojas de departamento e os produtos farmacêuticos puxaram a queda no varejo restrito ante fevereiro de 2016.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia