Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 12 de abril de 2017. Atualizado às 11h13.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 12/04 às 11h15min

Petróleo opera em alta com possível extensão do acordo da Opep e dados da API

Os preços do petróleo operam em alta nesta quarta-feira depois que a Arábia Saudita, maior exportadora de petróleo do mundo, disse que grandes produtores são favoráveis a uma ampliação do acordo de cortes na produção com o intuito de reduzir a oferta global. Além disso, a queda nos estoques dos EUA divulgada ontem pelo American Petroleum Institute (API, uma associação de refinarias) contribui para os ganhos. No entanto, a valorização é limitada, uma vez que o mercado digere o relatório divulgado há pouco pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) que mostrou mais um aumento mensal na produção dos EUA.
Às 10h01 (de Brasília), o petróleo tipo Brent para junho subia 0,48% na IntercontinentalExchange (ICE), a US$ 56,50 por barril, enquanto o WTI para maio avançava 0,43% na New York Mercantile Exchange (Nymex), a US$ 53,63 por barril.
A Arábia Saudita disse à Opep que pretende estender o acordo para cortar a produção de petróleo por mais seis meses quando o grupo se reunir em Viena no dia 25 de maio, de acordo com pessoas familiarizadas com o assunto.
No ano passado, a Opep e produtores de fora do cartel, incluindo a Rússia, comprometeram-se a eliminar cerca de 1,8 milhão de barris de petróleo por dia, numa tentativa de reequilibrar o mercado de petróleo e aumentar os preços. Desde então, o reino tem suportado o peso dos cortes do cartel do petróleo.
Além disso, o mercado repercute também os dados da API, que estimou ontem que os estoques de petróleo nos Estados Unidos recuaram 1,3 milhão de barris na semana passada. Os estoques de gasolina, por sua vez, caíram 3,7 milhões de barris na semana. Já os estoques de destilados tiveram recuo de 1,6 milhão de barris. Os investidores aguardam agora pelos dados do DoE, que serão conhecidos às 11h30.
Embora o petróleo continue em alta, os ganhos seguem limitados. Hoje, a Opep disse que sua produção caiu 153 mil barris por dia para uma média de 31,93 milhões de barris por dia. No entanto, a Opep aumentou sua previsão de crescimento da oferta dos EUA em 200 mil barris por dia para 2017. "O número de plataformas de perfuração e a reativação do gasto das empresas são os dois fatores mais importantes que levam a um aumento esperado da produção nos próximos meses", apontou o cartel. Segundo a Opep, houve aumento anual nas sondas de perfuração em 374 unidades, para 824 equipamentos na semana de 31 de março. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia