Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 11 de abril de 2017. Atualizado às 13h46.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

aviação

Alterada em 11/04 às 13h51min

Azul: abertura do setor a capital externo deve ser analisada de forma sistêmica

O presidente da Azul, Antonoaldo Neves, afirmou nesta terça-feira (11) que a análise da abertura do setor aéreo brasileiro ao capital estrangeiro deve ser feita "de modo sistêmico, e não pontual", levando em conta todas as variáveis que impactam o setor, e não só a disponibilidade de recursos.
"Nos últimos 18 meses, a Azul atraiu quase US$ 1 bilhão de capital. Não temos tido problemas (para atrair investimentos)", disse Neves, em conversa com jornalistas após a cerimônia de início das negociação das ações da companhia na B3, em São Paulo.
Neves evitou fazer comentários a respeito da MP que busca regulamentar a questão, mas pontuou que as discussões devem ser abrangentes. "Como ficam os acordos de céus abertos com outros países se a abertura for de 100%?", questionou.
Quanto às perspectivas para o setor aéreo brasileiro, o executivo limitou-se a dizer que é difícil especular sobre o futuro, e que o contexto atual de demanda doméstica no Brasil é difícil.
Ele ainda afirmou que, dado esse cenário, a Azul tem buscado inovar, com o estabelecimento de um HUB em Recife e a abertura de operações internacionais em 2014.
"Estamos seguros que, nas condições atuais, a equação entre demanda e oferta para a Azul está equilibrada", finalizou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia