Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 10 de abril de 2017. Atualizado às 19h10.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 10/04 às 19h13min

Vendas de cimento no mercado interno caem 8% no 1º trimestre

As vendas de cimento no mercado interno totalizaram 12,9 milhões de toneladas no primeiro trimestre de 2017, uma queda de 8,0% em relação ao primeiro trimestre de 2016, de acordo com dados preliminares da indústria, divulgados nesta segunda-feira (10), pelo Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (Snic).
Em março de 2017 foram vendidas 4,7 milhões de toneladas, com redução de 4,4% frente ao mesmo mês do ano passado. No consolidado dos últimos 12 meses (abril de 2016 a março de 2017), as vendas acumuladas totalizaram 56,2 milhões de toneladas, número 10,2% menor do que nos 12 meses anteriores (abril de 2015 a março de 2016).
De acordo com o presidente do Snic, Paulo Camillo Penna, já é possível identificar uma suave desaceleração no ritmo de queda da demanda por cimento. "Conseguimos perceber alguns avanços no cenário econômico no País que tendem a contribuir para o aumento no consumo do produto", afirmou, em nota.
Como exemplo, ele citou a maturação de projetos, como o Minha Casa Minha Vida, a ampliação do valor do imóvel para aquisição com recursos do FGTS, assim como a retomada das obras paralisadas. Além disso, há também as quedas nas taxas de juros e de inflação, contribuindo para um ambiente econômico mais favorável no País, na sua avaliação.
As projeções do sindicato para 2017 são de queda entre 5% a 7% nas vendas do setor. Caso isso se confirme, a indústria do cimento vai atingir o pior nível de capacidade ociosa de sua história, chegando próxima a 50%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia