Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 07 de abril de 2017. Atualizado às 08h40.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

07/04/2017 - 08h40min. Alterada em 07/04 às 08h40min

Indicador Antecedente de Emprego avança 4,6 pontos em março, revela FGV

O Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) avançou 4,6 pontos em março ante fevereiro, para o patamar de 100,5 pontos, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) na manhã desta sexta-feira (7). Já o Indicador Coincidente de Desemprego (ICD) recuou 0,1 ponto na passagem de fevereiro para março, atingindo 100,6 pontos.
Na avaliação da FGV, a alta no IAEmp sinaliza "continuidade na tendência de melhora gradual do mercado de trabalho no que tange ao saldo entre a quantidade de novas vagas e de desligamentos". Já o ligeiro recuo no ICD pode ser uma "acomodação". "Após um período de relativa estabilidade, o indicador voltara a subir no final do ano passado e agora começa a ceder lentamente, num movimento de aparente acomodação", diz nota divulgada pela FGV.
No texto, o economista Fernando de Holanda Barbosa Filho destaca que os indicadores ainda mostram uma situação difícil no mercado de trabalho. "Apesar das melhoras do IAEmp, o ICD permanece em nível bastante elevado e não apresenta tendência significativa de redução nos últimos meses. Desta forma, os indicadores mostram que a situação presente do mercado de trabalho continua difícil a despeito das expectativas de retomada das contratações nos próximos meses", afirma o pesquisador.
Segundo a FGV, a alta do IAEmp em março foi puxada pelos indicadores que medem o ímpeto de contratações nos três meses seguintes, na Sondagem da Indústria de Transformação, e a expectativa com relação à facilidade de se conseguir emprego nos seis meses seguintes, da Sondagem do Consumidor, com variações de 9,5 e 9,0 pontos, respectivamente.
Já no ICD, a classe de renda que mais contribuiu para a suave queda foi a do grupo de consumidores que auferem renda familiar mensal entre R$ 4.800,00 e R$ 9.600,00, cujo Indicador de percepção de dificuldade para conseguir emprego recuou 0,4 ponto.
O ICD é construído a partir dos dados desagregados, em quatro classes de renda familiar, da pergunta da Sondagem do Consumidor que procura captar a percepção sobre a situação presente do mercado de trabalho. Já o IAEmp é formado por uma combinação de séries extraídas das sondagens da Indústria, do setor de Serviços e do Consumidor, todas apuradas pela FGV. O objetivo é antecipar os rumos do mercado de trabalho no País.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia