Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 06 de abril de 2017. Atualizado às 16h52.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 06/04 às 16h54min

Ouro fecha em alta após BC dos EUA não mostrar pressa em elevar os juros

O ouro fechou em alta nesta quinta-feira, 6, um dia após a ata da última reunião do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) mostrar que os dirigentes não têm pressa para elevar os juros a um ritmo mais rápido neste ano. Mesmo com o dólar um pouco mais forte o metal terminou a sessão com ganhos.
O ouro para entrega em junho fechou em alta de US$ 4,80 (0,38%), a US$ 1.253,30 a onça-troy, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).
A ata da reunião de março do Fed, divulgada na tarde da quarta-feira, mostrou que os dirigentes concordaram em começar a reduzir seu balanço de US$ 4,5 trilhões mais adiante neste ano. A ata deu poucas indicações, porém, sobre se o banco central planeja realizar mais que as três altas até agora esperadas pela maioria em 2017.
A expectativa de que os juros se manterão em patamar baixo tendem a impulsionar o ouro, que luta para competir com investimentos que pagam retorno quando a política monetária fica mais apertada. Mais adiante, a alta na inflação deve impulsionar o ouro, segundo analistas do Bank of America Merrill Lynch.
Alguns investidores compram ouro como proteção em tempos inflacionários, com a avaliação de que ele mantém seu valor melhor que outros ativos quando avançam os preços. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia