Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 06 de abril de 2017. Atualizado às 15h16.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 06/04 às 15h16min

Bolsas da Europa fecham na maioria em alta, à espera do encontro de Trump e Xi

As bolsas europeias oscilaram mais cedo, mas fecharam na maioria em alta nesta quinta-feira (6). Investidores monitoraram as notícias do Banco Central Europeu (BCE) e também ficaram na expectativa pelo encontro entre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o da China, Xi Jinping.
O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,21% (0,78 pontos), em 380,87 pontos.
O presidente do BCE, Mario Draghi, afirmou que é ainda muito cedo para reduzir os estímulos monetários na zona do euro. Além disso, Draghi descartou que o BCE possa elevar os juros em breve. Na ata da última reunião do BCE, divulgada hoje, as autoridades do banco central mostraram divergências sobre a força da recuperação econômica e da inflação e se é preciso começar a reverter a política de maneira mais agressiva. O documento aponta, porém, que houve consenso de que a política atual é apropriada. O economista-chefe do BCE, Peter Praet, disse que a instituição deve primeiro concluir seu programa de compra de bônus, antes de começar a elevar os juros.
Na agenda de indicadores, as encomendas à indústria da Alemanha avançaram 3,4% em fevereiro ante janeiro, ante previsão de +3,5% dos analistas.
Na bolsa de Londres, o índice FTSE-100 fechou em queda de 0,39%, em 7.303,20 pontos, na contramão dos demais. O analista Joshua Mahony, da IG, disse que investidores estavam cautelosos antes da reunião entre Trump e Xi. Além disso, o setor farmacêutico não foi bem em Londres, com Shire em baixa de 1,9% e GlaxoSmithKline em queda de 1,8%. EasyJet, por outro lado, se destacou e subiu 4,2%, após a companhia aérea anunciar números positivos relativos a março. O banco Lloyds subiu 0,94%, mas o Barclays recuou 1,01%. Entre as mineradoras, Glencore caiu 0,81%, enquanto Antofagasta subiu 0,94%. A petroleira BP teve baixa de 0,16%.
Em Frankfurt, o índice DAX avançou 0,11%, para 12.230,89 pontos. Entre os bancos, Deutsche Bank subiu 0,22%, mas Commerzbank teve queda de 0,77%. No setor de energia, E.ON subiu 0,71%. Basf subiu 0,41% e Bayer recuou 0,32%.
Na bolsa de Paris, o índice CAC-40 avançou 0,58%, chegando a 5.121,44 pontos. A petroleira Total se destacou e subiu 1,10%, enquanto o banco BNP Paribas avançou 1,01% e o Société Générale ganhou 1,05%. A Air France teve baixa de 0,51%.
O índice FTSE-MIB, da bolsa de Milão, teve alta de 0,22%, a 20.296,97 pontos. Intesa Sanpaolo subiu 0,64% e UniCredit avançou 0,21%, mas Banco BPM recuou 0,22%, entre os bancos da Itália. Saipem subiu 0,05% e Telecom Italia teve ganho de 0,06%.
Na bolsa de Madri, o índice IBEX-35 fechou em alta de 1,12%, em 10.518,90 pontos. Santander se destacou e subiu 1,05% e Banco Popular Español avançou 0,25%, enquanto Banco de Sabadell ganhou 1,40%. No setor de energia, Iberdrola terminou o dia em +1,23%.
Em Lisboa, o índice PSI-20 subiu 0,39%, para 4.999,09 pontos. Banco Comercial Português subiu 1,43%, Galp avançou 0,73% e Jerônimo Martins teve alta de 0,81%, mas Ibersol recuou 0,66%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia