Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 06 de abril de 2017. Atualizado às 11h20.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Contas Públicas

Rodrigo Maia adia votação de projeto de recuperação fiscal de Estados para semana que vem

O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), decidiu adiar para a próxima semana a votação do projeto que trata da recuperação fiscal dos Estados em calamidade financeira. Por falta de quórum na manhã desta quinta-feira (6), a ideia é colocar o tema na pauta de segunda ou terça-feira (dias 10 e 11). Como a próxima semana será mais curta, em razão do feriado da semana santa, a Câmara realizará sessão deliberativa na segunda-feira.

Por volta das 11h, o quórum da sessão aberta às 9h era inferior a 250 parlamentares. São necessários 257 parlamentares para que a Ordem do Dia seja iniciada.

Maia tentou votar na quarta-feira (5), o texto-base do projeto que cria o Regime de Recuperação Fiscal (RRF). Após mais de cinco horas de discussão da proposta em plenário e de forte obstrução da oposição, Maia anunciou o adiamento da votação por achar que não teria votos suficientes para aprovar a proposta na noite de quarta-feira.

O presidente da Câmara recebeu alguns líderes durante a manhã em café na residência oficial. A conclusão que chegaram era de que os parlamentares, principalmente das bancadas do Norte e do Nordeste, teriam dificuldades para mudar os voos de volta aos Estados e que não conseguiriam permanecer em Brasília durante esta quinta-feira. "É mais fácil mobilizar para segunda ou terça-feira", concordou o líder do PMDB, Baleia Rossi (SP).

Até o final da noite de quarta havia resistências ao texto proposto pelo relator Pedro Paulo (PMDB-RJ). Segundo fontes, o governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori (PMDB), ainda tinha restrições à proposta e discutia com a secretária do Tesouro Nacional, Ana Paula Vescovi, mudanças que poderiam entrar em forma de emendas ao projeto.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia