Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 05 de abril de 2017. Atualizado às 18h09.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 05/04 às 18h11min

Bolsas de Nova Iorque não sustentam alta e fecham em baixa após ata do Fed

As bolsas de Nova Iorque chegaram a avançar ao longo do pregão desta quarta-feira (5), mas perderam força mais para o fim da jornada e fecharam em queda. Investidores analisaram a ata da última reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), divulgada nesta tarde.
O índice Dow Jones fechou em queda de 0,20%, em 20.648,15 pontos, o Nasdaq recuou 0,58%, em 5.864,48 pontos, e o S&P 500 teve baixa de 0,31%, em 2.352,95 pontos.
O Dow Jones chegou a subir quase 200 pontos, mas devolveu os ganhos após a ata do Fed mostrar que os dirigentes concordaram que devem começar a reduzir o balanço do banco central mais adiante neste ano. Além disso, alguns dirigentes avaliam que as ações estão excessivamente valorizadas, o que poderia abrir espaço para uma correção.
A probabilidade de o Fed reduzir seu portfólio, que inclui ativos comprados durante e após a recessão de 2007 a 2009, ocorreu após um dado que mostrou força no mercado de trabalho, o que reforça as apostas de expansão econômica feitas após a eleição de Donald Trump à presidência dos EUA. Agora, porém, há mais preocupações de que o governo Trump possa ter dificuldades para entregar suas políticas, entre elas cortes de impostos que poderiam impulsionar os lucros das empresas.
As ações subiram com mais força no início da sessão em Wall Street, diante do avanço do petróleo e de um dado positivo do mercado de trabalho americano. O relatório do ADP mostrou criação de 263 mil vagas em março no setor privado dos EUA, acima da previsão de 180 mil dos analistas. O dado oficial de criação de empregos no último mês no país sai nesta sexta-feira. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia