Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 05 de abril de 2017. Atualizado às 14h29.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Crédito

Alterada em 05/04 às 14h29min

Pedidos de falência têm queda de 9,9% entre janeiro e março

Agência Brasil
Os pedidos de falência caíram 9,9% em todo o país no acumulado dos três primeiros meses do ano, na comparação com o mesmo período de 2016. A informação foi dada hoje (5), em São Paulo, pela Boa Vista - Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC). Em março, houve queda de 5,2% na comparação com o ano anterior.
Segundo a pesquisa, as falências decretadas no trimestre subiram 7,6%. Na comparação com março de 2016, houve alta de 6,9%. Os pedidos de recuperação judicial apresentaram queda de 15,2% em três meses e alta de 14,6% em relação a março do ano passado. As recuperações judiciais acusaram elevação de 10,2% e aumento de 22,2% em relação a março de 2016.
As pequenas empresas foram as mais afetadas porque responderam por 88% dos pedidos de falências e 92% das falências decretadas no trimestre. Nos pedidos de recuperação judicial e nas recuperações judiciais deferidas, as pequenas empresas representaram 93% do total de casos.
Entre os setores da economia, no trimestre a indústria teve o maior percentual de pedidos de falência (39%), seguida do setor de serviços (35%) e do comércio (26%). Em relação ao mesmo período do ano anterior, o setor industrial anotou queda de 15%, o comércio diminuiu em 15,6% e o setor de serviços caiu 21%.
A avaliação dos pesquisadores é que, passado o período de intensa retração da atividade econômica, redução do consumo, restrição e encarecimento do crédito, as empresas passam a esboçar sinais mais sólidos de recuperação.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia