Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 05 de abril de 2017. Atualizado às 10h06.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

empresas

Alterada em 05/04 às 10h07min

Com grupo de Cingapura, construtora Vitacon vai investir R$ 1,5 bilhão no País

A construtora Vitacon, especializada em apartamentos compactos, fechou uma parceria com o grupo CapitalLand, de Cingapura. As duas empresas planejam investir, juntas, R$ 1,5 bilhão no País nos próximos cinco anos em empreendimentos residenciais para locação que também oferecem serviços aos inquilinos. Em vez de vender as unidades a investidores, as duas companhias vão construir os prédios e administrar o aluguel dos apartamentos.
O conceito desse negócio, conhecido globalmente como "multifamily", começará a ser testado no Brasil. A Vitacon pretende lançar dois empreendimentos entre este ano e meados de 2018 nos bairros Jardins e Itaim, regiões nobres de São Paulo, afirmou Alexandre Lafer Frankel, presidente e fundador da construtora. Esses dois empreendimentos, juntos, devem ter 250 unidades de apartamentos, que variam de 30 m² a 90 m². O público-alvo são executivos e consumidores que não querem adquirir um imóvel, mas buscam serviços de hotel.
O primeiro prédio com esse conceito deverá ser lançado entre 60 e 90 dias, de acordo com Lafer. Nesse empreendimento, a CapitalLand, por meio de seu braço de investimento Ascott, será apenas o operador comercial. O segundo prédio, que deverá ser erguido no ano que vem, já terá aporte de capital do novo sócio.
O investimento de R$ 1,5 bilhão abarca a construção de 5 mil apartamentos em cinco anos. A participação da CapitalLand ainda não está fechada, mas poderá ser de 50% a 70% do total a ser investido. "Estamos em negociações para a entrada de fundos soberanos institucionais nesse negócio", disse o empresário. Entre os futuros investidores estariam os fundos de Cingapura GIC e Temasek, além da Qatar Investment Authority (QIA), do Oriente Médio.
Em comunicado ao mercado, Lee Chee Koon, presidente da Ascott, afirmou que a entrada da companhia na América do Sul é uma medida significativa para expandir a rede global de propriedades. "Vamos buscar a expansão em grandes cidades, incluindo Brasília, Rio de Janeiro e Belo Horizonte."
Ainda de acordo com a nota, Koon disse que a empresa vai buscar oportunidades em outros mercados latino-americanos, como Argentina, Chile e México. "Nos próximos cinco anos, a Ascott pretende atingir 10 mil unidades na América do Sul."
Frankel afirmou que a Vitacon já fez um aporte de R$ 270 milhões nos dois primeiros empreendimentos. O grupo de Cingapura, que tem ativos sobe gestão de US$ 80 bilhões, deverá trazer o seu conceito já consolidado na Ásia e Europa, para fazer o plano de expansão da empresa resultado da parceria entre as duas empresas.
De acordo com uma fonte do mercado imobiliário, o mercado que a Vitacon pretende entrar precisa ter escala para poder dar lucro. "Nos Estados Unidos, por exemplo, esse conceito já está consolidado. Não sabemos qual é a demanda do Brasil", disse.
Após somar um Valor Geral de Vendas (VGV) de R$ 350 milhões em 2016, a Vitacon pretende dobrar este montante neste ano. No mercado imobiliário, VGV é o termo usado para o valor calculado pela soma do potencial de venda de todas as unidades dos empreendimentos lançados por uma determinada companhia.
Neste ano, a Vitacon fez uma captação de R$ 600 milhões com o fundo de investimento americano Hines, que ajudou a reduzir o endividamento da companhia e a dar fôlego aos projetos da construtora que a construtora, fundada em 2009, já vinha tocando.
O presidente da Vitacon pertence à família Lafer, uma das principais acionistas da Klabin, conhecida também por diversos empreendimentos no País. Frankel, no entanto, afirma não querer usar o sobrenome para se consolidar no mercado. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia