Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 04 de abril de 2017. Atualizado às 23h42.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Indústria

Notícia da edição impressa de 05/04/2017. Alterada em 04/04 às 22h19min

Atividade da indústria gaúcha avança 3%

Segmento de veículos automotores está entre os 11 setores da economia que iniciaram o ano em queda

Segmento de veículos automotores está entre os 11 setores da economia que iniciaram o ano em queda


MERCEDES BENZ/MERCEDES BENZ /DIVULGAÇÃO/JC
Todos os indicadores que compõem o Índice de Desempenho Industrial (IDI-RS), à exceção da massa salarial real, cresceram em fevereiro, na comparação com janeiro de 2017, segundo dados da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs). Com isso, a atividade no setor voltou a subir no Estado, registrando alta de 3% nos dados com ajuste sazonal ante o mês anterior. Desde outubro do ano passado, os indicadores mostram volatilidade, sem uma tendência de crescimento definida.
"Após um longo período de recessão, a atividade da indústria gaúcha começa a se estabilizar, influenciada, nessa fase de transição, por notícias positivas no campo econômico, como a redução dos juros e da inflação", destaca o presidente da Fiergs, Heitor José Müller.
O faturamento real e as compras industriais, ambos com 3,9% de elevação, foram os indicadores que exerceram os maiores impactos positivos no mês. As horas trabalhadas na produção e a Utilização da Capacidade Instalada (UCI) aumentaram 0,9% e 0,2 ponto percentual (para 79%), respectivamente, na comparação com janeiro. O emprego, por sua vez, também voltou a crescer: 0,4%. Apenas a massa salarial real caiu (0,7%). "Há uma expectativa de recuperação lenta e gradual do setor nos próximos meses, isso só não ocorre mais rapidamente em função da demande a interna continuar em declínio e de o cenário externo ainda impor dificuldades. Para a consolidação desse processo, é fundamental a aprovação das reformas estruturais e do ajuste fiscal, com menos gastos, e não mais impostos", ressaltou o presidente da Fiergs.
Na base de comparação anual, porém, a atividade industrial gaúcha ainda apresenta taxas negativas. O IDI-RS fechou em fevereiro a 36ª queda seguida: -2,8%. Nos dois primeiros meses de 2017, o índice acumulou perda de 2,6% na comparação com 2016.
O mau desempenho no primeiro bimestre do ano foi puxado por quase todos os indicadores. A exceção foi a UCI, que ficou estável, com um grau médio de 77,1%. O faturamento real e as compras industriais recuaram 4,1% e 3,8%, respectivamente, enquanto as horas trabalhadas na produção registraram baixa de 3,5%. A massa salarial real recuou 3,3% devido, principalmente, ao menor nível de emprego (-2,3%).
O resultado dos 17 setores pesquisados no IDI-RS também é de retração no primeiro bimestre de 2017. Onze iniciaram o ano em queda, com as indústrias de veículos automotores (-7,9%), alimentos (-3,9%) e tabaco (-18,8%) exercendo as maiores influências negativas. Os destaques positivos foram para produtos de metal (3,1%) e couros e calçados (2,4%).
 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia