Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 04 de abril de 2017. Atualizado às 16h23.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 04/04 às 16h27min

Petróleo fecha em alta, à espera de estoques dos EUA e com foco na produção

Os contratos futuros de petróleo avançaram nesta terça-feira (4). Operadores continuaram a apostar que os cortes na oferta feitos pelos maiores produtores devem apoiar os preços. Além disso, houve expectativa pela divulgação de um levantamento sobre os estoques da commodity nos Estados Unidos.
O petróleo WTI para entrega em maio fechou em alta de 1,57%, a US$ 51,03 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para junho subiu 1,98%, a US$ 54,17 o barril, na plataforma ICE.
O petróleo avança mais de 40% na comparação anual, em grande medida graças aos esforços liderados pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) para controlar a oferta. No fim do ano passado, o grupo e países de fora dele decidiram cortar a produção durante o primeiro semestre de 2017.
Por outro lado, há um foco no dado de estoques dos EUA. Às 17h30 (de Brasília), o American Petroleum Institute (API) divulga seu relatório semanal sobre os estoques, uma prévia do dado oficial que sai nesta quarta-feira. Um avanço muito grande nos estoques e na produção dos EUA pode prejudicar o esforço de outros países para reduzir a oferta e apoiar os preços.
A corretora iiTrader, de Chicago, afirmou que o relatório de estoques dos EUA desta semana é "o mais crucial até agora neste ano", após recentes recuos consideráveis nos estoques de gasolina e destilados. Segundo a corretora, outra semana com números similares poderia atrair um impulso significativo de compra para o mercado.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia