Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 04 de abril de 2017. Atualizado às 08h43.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura Internacional

Notícia da edição impressa de 04/04/2017. Alterada em 03/04 às 22h33min

Dívidas de países emergentes saltam para US$ 56 trilhões

As dívidas totais de empresas, bancos, famílias e governos de países emergentes, como Brasil, África do Sul, China e Índia, deram um salto "espetacular" nos últimos 10 anos, atingindo níveis preocupantes, alertou ontem o Instituto Internacional de Finanças (IIF). Apenas os passivos em dólar destes mercados mais que dobraram na última década, chegando a US$ 7,2 trilhões.
As dívidas totais dos emergentes chegaram a US$ 56 trilhões ao final de 2016, 3,5 vezes acima do que eram há 10 anos (US$ 16 trilhões). Em percentual do Produto Interno Bruto (PIB), os passivos subiram de 146% para 215%.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Francisco Berta Canibal 04/04/2017 06h56min
Com esta dívida ainda tem gente que deposita seus valores financeiros em bancos, esta ordem financeira está falidade, não tem como os emergentes pagarem esta dívida e nem como rolar, é uma questaão se tempo.......ouro, terra, minérios etc........este que é o refúgio,,,,,