Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 03 de abril de 2017. Atualizado às 19h51.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Alterada em 03/04 às 19h57min

Inflação tem dinâmica favorável no País, diz diretor do Banco Central

O diretor de política monetária do Banco Central, Reinaldo Le Grazie, ressaltou em apresentação nesta segunda-feira (3), em São Paulo que a inflação apresenta dinâmica favorável no Brasil. Em palestra no 2º Santander Macro Day 2017, o diretor apresentou gráficos que mostram que as expectativas do mercado para a inflação voltaram a orbitar perto do centro da meta em 2017 e 2018 pela primeira vez desde 2009.
Durante apresentação fechada à imprensa, o diretor do BC exibiu dados que mostram forte desaceleração dos preços desde o pico visto entre o fim de 2015 e início de 2016. Essa acomodação dos preços é vista em vários indicadores, como o IPCA, INPC, IPC-Fipe e IPC-10.
Le Grazie também repetiu avaliação de que o "atual cenário econômico mundial é especialmente incerto, mas em um contexto de estabilização da economia e de recuperação gradual da atividade econômica".
De acordo com a apresentação publicada pela assessoria de imprensa, o diretor repetiu a avaliação do BC de que o ambiente de alta de juros globais "poderá trazer implicações para as economias emergentes". A percepção para o Brasil, porém, é que o País tem atualmente menos vulnerabilidade externa. O diretor citou que o balanço de pagamentos tem situação "confortável com altos níveis de Investimento Estrangeiro Direto e reservas". Além disso, a estrutura de dívida externa considerada adequada e a queda da inflação com ancoragem das expectativas "reduzem a vulnerabilidade a choques".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia