Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 03 de abril de 2017. Atualizado às 08h11.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Petróleo oscila perto da estabilidade, após retomada de produção em campo líbio

Os futuros de petróleo oscilam perto da estabilidade nos negócios da manhã, após acumularem ganhos nas últimas quatro sessões e em meio a notícias de que o maior campo petrolífero da Líbia retomou sua produção.

Às 7h45min (de Brasília), o petróleo tipo Brent para junho caía 0,09% na IntercontinentalExchange (ICE), a US$ 53,48 por barril, enquanto o WTI para maio exibia alta marginal de 0,02% na New York Mercantile Exchange (Nymex), a US$ 50,61 por barril.

Na última semana, o petróleo teve seu melhor desempenho no ano após um grupo militante interromper cerca de um terço da produção da Líbia. Hoje, porém, fontes da petrolífera estatal líbia NOC informaram que o maior campo do país, o de Sharara, retomou operações após autoridades chegarem a um acordo com a milícia. Sharara produz cerca de 220 mil barris por dia.

O avanço do petróleo na semana passada também veio diante de uma crescente expectativa de que grandes produtores manterão os recentes cortes na oferta durante o segundo semestre do ano.

No fim do ano passado, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e produtores de peso de fora do grupo, como a Rússia, concordaram em reduzir sua oferta combinada em 1,8 milhão de barris por dia ao longo dos seis primeiros meses de 2017, como parte de uma estratégia para diminuir os estoques globais para médias em cinco anos. Por enquanto, dados da própria Opep indicam que o cartel vem cumprindo 94% de sua meta, mas os estoques mundiais não estão encolhendo com a velocidade que se esperava, graças em parte ao avanço da produção nos EUA.

Segundo analistas, a principal questão no momento é se Opep e Rússia irão estender seus pactos além de junho. O cartel irá rever seu acordo em reunião marcada para 25 de maio.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia