Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 31 de março de 2017. Atualizado às 08h11.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Quinto do Ouro

Notícia da edição impressa de 31/03/2017. Alterada em 30/03 às 22h26min

Foram 'duas ou três' perguntas, diz Jorge Picciani após sua condução coercitiva

O presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), Jorge Picciani (PMDB), afirmou, nesta quinta-feira, que respondeu a "duas ou três" perguntas ao ser conduzido coercitivamente para depor na Operação Quinto do Ouro, deflagrada na quarta-feira pela Polícia Federal (PF) e o Ministério Público Federal (MPF), com foco no Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ).
Segundo o deputado, as perguntas foram sobre a utilização do fundo especial do TCE-RJ, sobre supostos favorecimentos às empresas de ônibus que têm a concessão do transporte público na Região Metropolitana do Rio e sobre a cobrança de propina, por parte de conselheiros da Corte de Contas, para autorizar obras do estado com valor acima de R$ 5 milhões.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia