Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 24 de março de 2017. Atualizado às 15h00.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

Notícia da edição impressa de 24/03/2017. Alterada em 24/03 às 08h33min

Dilma tinha conhecimento de caixa-2, afirma Marcelo Odebrecht

Segundo Marcelo, a empreiteira doou R$ 150 milhões à campanha de Dilma-Temer naquele ano

Segundo Marcelo, a empreiteira doou R$ 150 milhões à campanha de Dilma-Temer naquele ano


EVARISTO SA/AFP/JC
O executivo Marcelo Odebrecht, ex-presidente da empreiteira e herdeiro do grupo, afirmou em depoimento no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), no dia 1 de março, que a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) tinha conhecimento dos pagamentos de caixa-2 à campanha eleitoral de 2014.
Ele ainda afirmou que jamais recebeu pedido "específico" do presidente Michel Temer (PMDB) e apontou os ex-ministros Guido Mantega e Antonio Palocci como interlocutores dos repasses de caixa dois ao PT.
Segundo o depoimento de Marcelo Odebrecht, parte do caixa-2 da campanha em 2014 foi pago por meio do marqueteiro João Santana. Ao responder o ministro Herman Benjamin, relator do processo de cassação da chapa no TSE, que perguntou se ele já havia conversado com Dilma sobre as dívidas com o PT, o empresário respondeu o seguinte.
"Não. Veja bem, Dilma sabia da dimensão da nossa doação e sabia que nós éramos quem fazia grande parte dos pagamento via caixa-2 para o João Santana. Isso ela sabia", declarou.
O relator insistiu: "o senhor chegou a conversar com ela?" "Não cheguei, ela sabia pelo nosso amigo", respondeu Marcelo Odebrecht, sem citar quem seria o "amigo".
"A sua impressão está clara. O senhor acha que ela sabia", continuou o ministro do TSE. "Sim", disse Marcelo, que prosseguiu. "Ela nunca me disse que sabia que era caixa-2, mas é natural, ela sabia que toda aquela dimensão de pagamentos não estava na prestação do partido", ressaltou o executivo.
Marcelo isentou o presidente Temer da negociação de uma doação de R$ 10 milhões da Odebrecht para o PMDB. "Nunca houve um pedido para mim, específico, do Temer", afirmou.
Segundo ele, no jantar ocorrido no Palácio do Jaburu naquele ano, Temer não tratou de valores. Participaram do encontro, além dele e de Temer, Cláudio Melo Filho, então vice-presidente de Relações Institucionais da Odebrecht, e o hoje ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha (PMDB).
"Teve um determinado momento, que eu me lembro bem, o Temer saiu da mesa, já no fim do jantar, e aí, eu, Cláudio e Padilha firmamos: 'Oh, tá bom então. Vai ser doado 10, conforme você já acertou com o Cláudio, Padilha; desses 10, seis milhões vou direcionar para a campanha do Paulo, que ele me pediu, e vocês ficam com quatro para direcionar para os candidatos que vocês quiserem'", declarou Marcelo.
"Não me lembro em nenhum momento de o Temer ter falado dos 10 milhões, ter solicitado um apoio específico. Obviamente que fica aquela conversa de que: 'Olha, a gente espera a contribuição de vocês; a gente tem aí um grupo que a gente precisa apoiar", ressaltou.
Segundo Marcelo, a empreiteira doou R$ 150 milhões à campanha de Dilma-Temer naquele ano, sendo R$ 50 milhões como contrapartida de uma medida aprovada no Congresso em 2009 de interesse do grupo empresarial.

Alexandrino operacionalizou entrega de R$ 21 milhões, segundo depoimento

A reportagem também teve acesso ao depoimento de Alexandrino Alencar, ex-diretor de relações institucionais da Odebrecht, prestado no dia 6 de março.
Ele afirmou que operacionalizou a entrega em espécie de R$ 21 milhões de caixa-2 para três partidos aliados da chapa Dilma-Temer.
A maioria dos recursos foi entregue em hotéis e flats em São Paulo, segundo ele. Os partidos beneficiados foram, de acordo com o depoimento, PRB, Pros e PCdoB.
Ao todo, contou o delator, cada um recebeu R$ 7 milhões. Ele menciona ainda mais R$ 4 milhões para o PDT, mas disse que outra pessoa da Odebrecht cuidou desta parte.
Pelo PRB, o interlocutor, relatou o delator, foi o atual ministro de Indústria e Comércio, Marcos Pereira. "Às vezes a pessoa, o partido, ficava num hotel e o recurso ia para o hotel, ou tinha um lugar fixo em São Paulo, um flat, onde as pessoas dos partidos iam lá buscar", afirmou.
Segundo ele, havia uma demanda para a Odebrecht ajudar na "compra de partidos" em uma negociação com o petista Edinho Silva, então tesoureiro da campanha e hoje prefeito de Araraquara (SP).
"Teve uma reunião por volta de junho de 14, nos nossos escritórios, que estava presente o Edinho Silva, Marcelo e eu. Fomos os três. Então, veio uma demanda do então tesoureiro da chapa, Edinho Silva, nos solicitando a comparecer com esses cinco partidos", afirmou o delator.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
MARIA 24/03/2017 14h06min
porque o Judiciário nunca nunca investiga os vazamentos seletivos contra o PT à imprensa, não investiga a responsabilidade pela violação do sigilo da autoridade competente