Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 09 de março de 2017. Atualizado às 15h57.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

governo federal

Alterada em 09/03 às 15h58min

Meirelles diz que aumento de impostos será decidido dia 22 deste mês

Agência O Globo
O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta quinta-feira que começa hoje uma reunião com técnicos do Tesouro que revelará "a programação orçamentária" da qual sairá a decisão sobre se haverá aumento de impostos. Esse encontro, que ocorrerá em Brasília e terá a participação de Meirelles, termina dia 22.
"Não dá para dizer se haverá ou não aumento de impostos. Temos de esperar os números. Quando eu tiver a resposta, vou anunciar. Esse é meu método de trabalho", disse ele a jornalistas após ser perguntado sobre se o governo aumentará o IOF sobre operações cambiais. "Se for necessário, vamos aumentar", concluiu.
Meirelles esteve em São Paulo durante esta manhã para participar de seminário sobre o sistema previdenciário.
Depois de dois dias de reuniões com parlamentares de diferentes partidos para falar sobre a reforma da Previdência, ele frisou que a mudança do sistema previdenciário "não é um objeto de decisão, é uma necessidade".
Ele entrou em detalhes da reforma, os quais classificou como temas que geram as discussões mais "calientes", como a defesa dos parlamentares para regimes diferenciados a cada categoria de trabalhador, a igualdade entre idades para aposentadoria de homens e mulheres, e a aposentadoria rural.
"É uma discussão infindável. Aí eu pergunto para os parlamentares: quem vai decidir isso? E digo: são os senhores. Não é uma discussão fácil, mas a principio todos serão enquadrados nas mesmas regras", disse.
Sobre a defesa de parte dos parlamentares de que a idade de aposentadoria de homens e mulheres deve continuar diferente, Meirelles afirmou que a redução da idade mínima feminina de 65 (como consta na proposta) acarretaria na necessidade de ampliar para 71 a idade mínima dos homens. "Para as contas fecharem seria então necessário elevar a idade mínima doa homens", justificou.
A respeito da aposentadoria rural, Meirelles disse que o atual resultado é "claramente negativo". Pelos números apresentados pelo ministro, o déficit na Previdência rural saiu de R$ 14,7 bilhões em 2002 para R$ 103,4 bilhões no ano passado.
"Em resumo, existe uma evolução crescente do deficit da previdência rural. Isso é importante porque a maior dificuldade de argumentação é a Previdência rural", afirmou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia