Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 09 de março de 2017. Atualizado às 00h01.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Dia Internacional da Mulher

Notícia da edição impressa de 09/03/2017. Alterada em 09/03 às 00h00min

Mais de 500 mulheres são agredidas por hora no Brasil

A cada hora, 503 mulheres sofreram algum tipo de agressão física em 2016, segundo pesquisa do Datafolha encomendada pelo Fórum de Segurança Pública. O estudo foi feito com entrevistas em 130 municípios brasileiros. No total, 4,4 milhões de mulheres, 9% da população acima de 16 anos, relataram ter sido vítimas de socos, chutes, empurrões ou outra forma de violência.
Agressões verbais e morais, como xingamentos e humilhações, atingiram 22% da população feminina. Ao longo de 2016, 29% das mulheres passaram por algum tipo de violência, física ou moral. Entre as negras, o índice sobe para 32,5% e chega a 45% entre jovens de 16 a 24 anos. Foram vítimas de ameaças com armas de fogo ou com faca 4%, equivalente a 1,9 milhão de mulheres. Espancamentos e estrangulamentos vitimaram 3% (1,4 milhão), enquanto 257 mil (1%) foram baleadas. A cada três brasileiros, incluídos homens e mulheres, dois presenciaram algum tipo de agressão a mulheres, desde violência física direta, a assédio, ameaças e humilhações. O percentual é de 73% entre negros e 60% entre brancos. A maior parte dos agressores, segundo os relatos das mulheres, era conhecida (61%). Cônjuges, namorados e companheiros aparecem como responsáveis em 19% dos casos, e ex-companheiros representam 16% dos agressores.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia