Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 07 de março de 2017. Atualizado às 09h15.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

Alterada em 07/03 às 09h17min

Polícia Federal pede mais 90 dias para investigar 'setor de propina'

A delegada da Polícia Federal Renata da Silva Rodrigues pediu ao juiz federal Sérgio Moro a prorrogação por mais 90 dias do inquérito que investiga o "departamento da propina" da Odebrecht, revelado com os avanços da Lava Jato sobre a empreiteira.
O pedido tem como base o volume de material apreendido na Operação Xepa - 26ª fase da Lava Jato, deflagrada em 22 de março de 2016, e que desmantelou o Setor de Operações Estruturadas, nome oficial do departamento responsável pelos pagamentos ilícitos da empresa.
O inquérito apura os crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa envolvendo ex-executivos da empreiteira. Moro ainda não decidiu se acata ou não o pedido.
Foi na Xepa que a Lava Jato identificou dezenas de apelidos usados pela cúpula da empreiteira para se referir a políticos.
Na Operação Xepa, cerca de 380 policiais federais cumpriram 110 ordens judiciais nos Estados de São Paulo, Santa Catarina, Pernambuco, Rio, Minas, Rio Grande do Sul, Piauí, Bahia e também em Brasília.
A Xepa foi deflagrada com base na delação premiada da secretária Maria Lúcia Tavares, que atuava no "departamento da propina" e foi a primeira funcionária do grupo empresarial a colaborar com as investigações. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia