Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 06 de março de 2017. Atualizado às 22h42.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Câmara de Porto Alegre

Notícia da edição impressa de 07/03/2017. Alterada em 06/03 às 22h21min

Proibição a parcelamento de salários é rejeitada

Nagelstein (de costas) entrou em conflito com o público nas galerias, que chamou de 'massa de manobra'

Nagelstein (de costas) entrou em conflito com o público nas galerias, que chamou de 'massa de manobra'


CMPA/DIVULGAÇÃO/JC
Carlos Villela, especial para o JC
Em votação apertada, a Câmara de Vereadores de Porto Alegre manteve o veto do prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB) ao projeto de lei que impedia o parcelamento dos salários de servidores públicos municipais. A matéria, de autoria dos vereadores Fernanda Melchionna e Alex Fraga, ambos do PSOL, havia sido vetada integralmente pelo prefeito com o argumento de que seria inconstitucional. Após um dia de discussões e ânimos acirrados, o veto, cuja votação estava na pauta do dia 2 e foi postergada para ontem, foi mantido com 17 vereadores votando favoravelmente e 16 contrários.
As galerias da Casa estavam lotadas de funcionários do município e representantes do Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa), que protestavam pela derrubada do veto. Parte do público presente virou as costas durante os discursos dos vereadores João Carlos Nedel (PP) e Valter Nagelstein (PMDB).
Nagelstein rebateu as críticas de quem o acusou de fascista dizendo que a postura dos manifestantes que era totalitária e que eles eram "massa de manobra" de partidos de esquerda, o que levou a desentendimentos. Além disso, o vereador, de origem judaica, criticou em pronunciamento o fato de ter sido chamado de nazista por uma manifestante.
O líder do governo na Câmara, Claudio Janta (SD), também foi bastante vaiado e chamado de "pelego" ao defender a manutenção do veto, argumentando que a aprovação do projeto poderia abrir precedente para que nenhum salário fosse pago caso o caixa do município não tivesse fundos para isso.
Além dos atritos entre municipários e vereadores a favor da manutenção do veto, houve uma tensão entre os próprios vereadores no plenário. Em discurso na tribuna, o vereador Cassiá Carpes (PP) fez críticas aos manifestantes e ao PDT, afirmando ao vereador Mauro Zacher que o partido dele e do ex-prefeito José Fortunati havia quebrado a prefeitura. Zacher se aproximou da tribuna e ambos discutiram aos gritos, e a polêmica teve prosseguimento após Cassiá falar para o pedetista "eu conheço teu passado". Após terminar sua fala, o vereador foi criticado por alguns colegas. André Carús (PMDB) disse a Cassiá que o PP fez parte da administração passada e que ele havia feito uma ofensa pessoal a Zacher, e Idenir Cecchim (PMDB) comentou que a fala de Cassiá poderia fazer com que não houvesse maioria para votar pela manutenção do veto, o que acabou não acontecendo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia