Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 29 de março de 2017. Atualizado às 01h17.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 29/03/2017. Alterada em 29/03 às 01h19min

Fácil para o governo; difícil para o povo

Jeferson Fernandes
Os governos Sartori e Temer optam por políticas de um suposto "caminho único", inevitável, logo, o mais fácil. Assentam-se em uma moda construída de que os serviços públicos são ruins e que precisam ser desmontados; que o trabalho no Brasil é caro e é necessário terceirizar e tirar direitos trabalhistas; que a Previdência é deficitária e é urgente aumentar os anos de contribuição, a idade e diminuir as aposentadorias; que o Rio Grande do Sul tem que vender patrimônio para reduzir a dívida. Às custas de publicidade e formadores de opinião bem pagos, tornou-se "chique" repetir essas supostas verdades, assim como o fora imitar atores de Hollywood que fumavam cigarros em filmes das décadas de 30 a 60. Implementar a agenda da moda é fácil, ainda mais com o argumento de que, na crise, sacrifícios precisam ser feitos. Alguns fatos circularam nas mídias: a redução dos efetivos de segurança pública no Estado foi acompanhada do aumento da violência; os salários dos trabalhadores da China já são mais altos do que os de brasileiros; a Previdência no País não é deficitária, e governistas tentam calar os auditores da Receita Federal; a renegociação da dívida do Estado vai aumentá-la de R$ 50 bi para R$ 80 bi.
As opções dos governos do PMDB não correspondem às realidades que querem alterar. A crise econômica, com 14 milhões de desempregados, e o caos das finanças públicas, com a precarização dos serviços à população, são medidas adotadas para justificar o uso de remédios amargos. Com falsos argumentos, legitimam-se ações voltadas aos interesses dos mais ricos, que tornam ainda mais difícil a vida da maioria trabalhadora. A reforma da Previdência cobra dos assalariados a conta de um suposto déficit do setor, mas desconsidera R$ 426 milhões em dívidas de grandes empresas. No Rio Grande do Sul, Sartori admite vender estatais rentáveis para "fazer caixa", mas não rever isenções fiscais a grandes empresários. Essas políticas precisam ser barradas, pois seguem facilitando a vida de uma minoria já abastada em detrimento de uma maioria que sempre amarga dificuldades.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia