Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 13 de março de 2017. Atualizado às 03h03.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

coreia do Sul

Notícia da edição impressa de 13/03/2017. Alterada em 12/03 às 22h05min

'A verdade virá à tona', afirma presidente deposta

Dois dias após ser retirada do cargo, a presidente destituída da Coreia do Sul, Park Geun-hye, negou ontem ter cometido qualquer irregularidade. "Embora leve tempo, acredito que a verdade certamente virá à tona", disse Park, em seu primeiro pronunciamento público desde a decisão do Tribunal Constitucional. A declaração foi lida a jornalistas por Min Kyungwook, legislador do Grande Partido Nacional e também seu ex-porta-voz. Ela expressou gratidão aos apoiadores e pediu desculpas por não cumprir o seu "dever como presidente".
O Tribunal Constitucional retirou formalmente Park do cargo na sexta-feira (noite de quinta-feira, no Brasil), confirmando uma ação de impeachment apresentada pelos legisladores em dezembro, que se seguiu a semanas de protestos de milhões de pessoas. A mandatária destituída deve enfrentar uma investigação por suspeitas de conluio com a amiga Choi Soon-sil, que está presa por extorquir dinheiro e favores de empresas, e por ter permitido que esta secretamente interferisse em assuntos de Estado.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia