Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 05 de março de 2017. Atualizado às 20h23.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

relações internacionais

Alterada em 05/03 às 20h24min

Expulsão de embaixador norte-coreano da Malásia é sinal de alerta, diz governo

O governo da Malásia afirmou que a expulsão do embaixador da Coreia do Norte do país tinha a intenção de alertar Pyongyang de que não pode manipular a investigação sobre a morte de Kim Jong-Nam, meio-irmão do ditador norte-coreano, King Jong-Un.
O governo deu ao embaixador da Coreia do Norte no país, Kang Chol, 48 horas para deixar a Malásia, após ele se recusar a desculpar por fortes acusações sobre a maneira que o governo da Malásia lidou com a investigação do assassinato de King Jon-Nam no aeroporto de Kuala Lumpur, no dia 13 de fevereiro.
"Acredito que transmitimos uma mensagem clara ao governo norte-coreano de que estamos levando a sério a resolução dessa questão e não queremos que a investigação seja manipulada", declarou o vice-primeiro-ministro Ahmad Zahid Hamidi, segundo a agência de notícias da Malásia, Bernama.
A Coreia do Norte rejeitou as descobertas de uma autópsia de autoridades da Malásia de que o agente químico VX, considerada uma arma de destruição em massa pela ONU, teria matado King Jon-Nam. O embaixador norte-coreano acusou o governo da Malásia de tentar esconder alguma coisa e disse que havia uma conspiração com outros países para difamar a Coreia do Norte.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia