Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 02 de março de 2017. Atualizado às 21h50.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Relações internacionais

Alterada em 02/03 às 21h54min

Para diretor da Fiesp, Aloysio Nunes significa 'continuidade' no Itamaraty

O diretor do Departamento de Relações Internacionais da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Thomaz Zanotto, avalia que a nomeação do senador Aloysio Nunes como novo ministro das Relações Exteriores significa a continuidade da política adotada pelo ex-chanceler José Serra, com reaproximação aos países desenvolvidos e diversificação das relações de comércio.
Diferentemente de Serra, Nunes não é percebido como potencial candidato na corrida ao Palácio do Planalto em 2018, o que, para Zanotto, poderá ser uma "vantagem" em sua gestão à frente do Itamaraty, já que o chanceler precisa se envolver na discussão de assuntos técnicos que não dão visibilidade.
"Temas como convergência regulatória e medidas de facilitação de comércio são importantíssimos para o comércio exterior, mas que não geram manchetes como lidar com governos bolivarianos", comenta Zanotto, referindo-se o confronto pela suspensão da Venezuela do Mercosul que marcou a passagem de Serra pelo Itamaraty.
Num momento em que o País pretende avançar em acordos comerciais, em especial o pacto em negociação entre Mercosul e União Europeia, Zanotto considerou que foi acertada a escolha de uma figura política de peso para o comando das Relações Exteriores. A biografia do senador é classificada por ele como "impressionante".
Zanotto citou ainda a aproximação de países abandonados pelo presidente americano Donald Trump na negociação da Parceria Transpacífica, incluindo o aprofundamento no acordo comercial com o México, entre os objetivos a serem assumidos pelo novo chanceler.
"Para um governo que terá menos de dois anos pela frente, a agenda já está posta. Você tem agendas de curtíssimo, curto, médio e longo prazo. O pragmatismo é a palavra-chave", assinala Zanotto.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia