Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 26 de julho de 2017. Atualizado às 14h12.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Ensino Superior

30/03/2017 - 11h34min. Alterada em 30/03 às 14h39min

Ufrgs divulga lista de leituras obrigatórias para o Vestibular 2018

A máquina de fazer espanhóis, de Valter Hugo Mãe, entrou na lista

A máquina de fazer espanhóis, de Valter Hugo Mãe, entrou na lista


OTAVIO FORTES/DIVULGAÇÃO/JC
A Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) divulgou nesta quinta-feira (30) a relação de leituras obrigatórias para o Vestibular 2018. Passam a integrar a lista A máquina de fazer espanhóis, de Valter Hugo Mãe, Quarto de despejo, de Carolina Maria de Jesus, Diário da queda, de Michel Laub, e o álbum/disco Elis & Tom, de 1974.
O texto de Carolina Maria de Jesus traz à lista uma autora que representa a voz da mulher negra que durante muitos anos não apareceu na Literatura. Além disso, trata-se de uma escrita em que a mulher é protagonista, dona da própria voz, segundo nota da equipe do concurso. A professora de Literatura Marcia Ivana de Lima e Silva comenta que a autora mineira produz "a desestruturação da linguagem, não apresentando preocupação com regras gramaticais".
O gaúcho Michel Laub, nascido em Porto Alegre, representa a Literatura Contemporânea e que se aproxima do público do Ensino Médio. O português nascido em Angola Valter Hugo Mãe atende à inclusão de autores tradicionais e contemporâneos em língua portuguesa. O álbum Elis & Tom renova a intenção de incluir álbuns na lista
Confira a lista completa:

Novos:

  • Valter Hugo Mãe: A máquina de fazer espanhóis
  • Carolina Maria de Jesus: Quarto de despejo
  • Michel Laub: Diário da queda 
  • Álbum/disco: Elis & Tom  

Já estavam:

  • Erico Verissimo: O Continente
  • Chico Buarque e Paulo Pontes: Gota d’Água
  • Caio Fernando Abreu: Morangos Mofados
  • Clarice Lispector: A Hora da Estrela
  • Fernando Pessoa: Coletânea: 1. Autopsicografia; 2. Isto; 3. Pobre velha música; 4. Qualquer música; 5. Natal...Na província neva; 6. Ela canta, pobre ceifeira; 7 Não sei se é sonho, se realidade; 8. Não sei quantas almas tenho; 9.Viajar! Perder países!; 10. Liberdade; 11. Lá fora vai um redemoinho de sol os cavalos do carrossel... (poema V de Chuva Oblíqua); 12. O maestro sacode a batuta (poema VI de Chuva Oblíqua); 13. Padrão (Mensagem); 14. Noite (Mensagem); 15. O infante (Mensagem); 16. Mar português (Mensagem); 17. Nevoeiro(Mensagem)
  • Aluisio Azevedo: O Cortiço
  • Machado de Assis: Dom Casmurro
  • Padre Antônio Vieira: Sermão pelo Bom Sucesso das Armas de Portugal Contra as de Holanda; Sermão da Sexagésima; Sermão de Santo António aos Peixes
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Renato de Mattos Motta 26/07/2017 14h03min
Acho estranho a falta de poesia brasileira na lista... Não nego a importância de Pessoa, mas Bandeira, Cabral, Quintana, Jorge de Lima, Drummond, Leminsky, Arnaldo e Haroldo de Campos, Gullar, Vinícius (ok, esse até foi contemplado no álbum Elis e Tom) - para ficar só nos clássicos, são fundamentais para o entendimento da alma e da arte brasileira - e quase não estou falando dos poetas vivos!n