Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 05 de março de 2017. Atualizado às 22h23.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Segurança pública

Notícia da edição impressa de 06/03/2017. Alterada em 05/03 às 22h21min

Esgoto de prisão em Canoas será concluído até junho

Unidade I, com 393 ocupantes, já está em funcionamento há um ano

Unidade I, com 393 ocupantes, já está em funcionamento há um ano


CLAITON DORNELLES/JC
Isabella Sander
Com centenas de presos aguardando vagas no sistema prisional em viaturas ou delegacias de diversos municípios, o governo do Estado tem sentido cada vez mais a necessidade da abertura do Complexo Prisional de Canoas (CPC). A obra está pronta há cerca de um ano, desde a época em que a Penitenciária Canoas I, uma das unidades do complexo, passou a funcionar. Porém, os outros três prédios dependem de arruamento interno e de implantação de um sistema de água e esgoto para funcionarem. A previsão da Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe) é de conclusão da obra de saneamento ainda neste semestre.
Finalizado, o CPC já conta com Termo de Recebimento Provisório, o que permitiria seu funcionamento integral. Entretanto, como o complexo foi construído em terreno íngreme, é necessária a instalação de um sistema de bombeamento de esgoto para as unidades das áreas mais baixas, a fim de escoar os dejetos para a estrutura da Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan). "Houve duas licitações desertas para fazer essa instalação, então o secretário estadual de Segurança Pública, Cezar Schirmer, buscou alternativas e acabou firmando parceria com a Corsan, para que fizesse a análise e iniciasse a execução", relata o arquiteto e diretor do Departamento de Engenharia Prisional da Susepe, Alexandre Micol.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia